Comitê australiano recomenda cuidado elevado no Rio, após assalto de atleta

Rio de Janeiro / 09:42 - 21 de jun de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Comitê Paraolímpico Australiano divulgou nota dizendo que recebeu um alerta da Polícia Federal da Austrália para que os atletas que venham ao Brasil para os Jogos Olímpicos Rio 216 tenham "cuidado elevado" durante a estada no Rio de Janeiro. A nota foi divulgada ontem em conjunto com o time de vela do país, um dia depois do assalto à atleta de vela paraolímpica Liesl Tesch e sua técnica Sarah Ross ocorrido na capital fluminense. Na manhã de domingo, as duas foram abordadas por um homens armado e seu comparsa enquanto andavam de bicicleta próximo ao seu hotel. Liesl foi empurrada para o chão e as bicicletas foram roubadas. Segundo a nota, nenhuma das duas ficou ferida. A polícia carioca está investigando o crime e, de acordo com nota, está oferecendo assistência para as duas australianas. Tanto o comitê quanto o time australiano de vela informaram que estão trabalhando junto à Polícia Federal da Austrália para garantir a segurança de sua delegação durante os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016. OMS divulga alerta sobre riscos de segurança e de saúde A Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgou hoje aviso para viajantes, alertando para riscos sanitários e de segurança no Rio de Janeiro durante os Jogos de agosto. Entre as recomendações da entidade, vinculada às Nações Unidas, estão ter cuidado, não viajar sozinho à noite, evitar áreas perigosas, viajar sempre acompanhado e usar apenas táxis e ônibus autorizados no aeroporto. Outros riscos para os viajantes, segundo a OMS, são os acidentes de trânsito e as chuvas fortes, que podem provocar vítimas. A entidade também alertou para as doenças provocadas por mosquitos como a dengue, chikungunya e a Zika. Para evitar a infecção pelo vírus Zika, a organização recomendou o uso de repelentes e preservativos. Grávidas são desencorajadas a vir para o Brasil. Para o professor de Marketing do curso de Administração da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio, Alexandre Coelho, a imagem do Rio pode estar sendo comprometida às vésperas das Olimpíadas. Segundo ele, são questões que envolvem as áreas financeira (com a declaração de calamidade pública das finanças do Estado), de saúde (com o comprometimento no atendimento) e segurança pública (funcionamento ineficiente) e que podem prejudicar a visibilidade da cidade e manchar a imagem dela perante o mundo - O Rio tinha uma imagem muito atrativa e interessante, mas que pode estar sendo comprometida com os últimos episódios. Devemos compreender esse momento como único em termos de projeção de visibilidade. Quando os turistas vão embora, eles lembram muito menos dos equipamentos e mais de como encontraram a cidade em diversos aspectos: turismo, gastronomia, hotéis, bares, restaurantes, entretenimento, cultura. A forma como os turistas serão recebidos e a opinião dos próprios atletas sobre a cidade e os jogos interferem demasiadamente nas impressões da cidade e do -aís. Além disso, o decreto de calamidade pública feito pelo governo pode assustar os estrangeiros. Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor