Lojas do Rio só perdem desde início do governo

Comércio carioca amarga quarto mês de queda nas vendas.

Rio de Janeiro / 11:35 - 21 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As vendas no comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro caíram 3,6% em abril em relação ao mesmo mês de 2018. O ano está todo no vermelho: janeiro registrou menos 3,2%, fevereiro, queda de 3,8%, e março desabou 4%.

Os dados são da pesquisa Termômetro de Vendas divulgada mensalmente pelo Centro de Estudos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio), que abrange cerca de 750 estabelecimentos comerciais da cidade. No acumulado do ano em comparação com os quatro primeiros meses de 2018, as vendas caíram 3,8%. Em comparação com março de 2019, o tombo foi de 7,1%.

Segundo o presidente do CDL-Rio, Aldo Gonçalves, o resultado de abril continua refletindo a crítica situação econômica que o Estado do Rio atravessa, afetado pelo desemprego e a violência, que afasta o consumidor das compras. “Além desse quadro, o comércio está sendo bastante prejudicado pela invasão dos camelôs, que se expande cada vez mais, inundando as ruas do Rio”, conclui Aldo.

A pesquisa mostra que todos os setores do ramo mole (bens não duráveis) e do ramo duro (bens duráveis) apresentaram resultados negativos. Os que tiveram as maiores quedas no faturamento no ramo mole foram tecidos, calçados e confecções e no ramo duro (bens duráveis) joias, óticas, móveis e eletrodomésticos. A venda à vista caiu 5,1%, e a venda a prazo perdeu 3,9%.

O faturamento das lojas foi menor independentemente da localização. Em bens não duráveis, as lojas da Zona Sul venderam menos 5,3%, as da Zona Norte e do Centro, ambas, com menos 3,1%. Nos bens duráveis, as lojas do Centro, da Zona Norte e da Zona Sul venderam menos 5%, 4,7% e 3,2%, respectivamente.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor