Advertisement

Com aumento moderado, novembro tem demanda de passageiros sólida

Segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo, demanda subiu 6,2% em relação a novembro de 2017.

Internacional / 10 Janeiro 2019 - 13:35

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata, por sua sigla em inglês) anunciou os resultados gerais do tráfego de passageiros de novembro de 2018, que apresentaram crescimento apenas moderado. A demanda (medida em quilômetros por passageiro e receita, ou RPKs) subiu 6,2% em relação a novembro de 2017, representando uma leve desaceleração na comparação com a taxa de crescimento de 6,3% de outubro. A capacidade (medida em assentos disponíveis por quilômetro, ou ASKs) aumentou 6,8% em relação ao mesmo período do ano passado e o fator de carga caiu 0,4 ponto percentual, atingindo 80,0%. Esta foi a terceira vez em dois anos que o fator de carga caiu na comparação ano a ano.

"O tráfego é sólido. Mas há sinais claros de que o crescimento está mais moderado, seguindo a desaceleração da economia global. Ainda esperamos crescimento de 6% na demanda este ano. Mas as tensões comerciais, as tarifas de proteção e o Brexit são incertezas que pairam sobre o setor", disse Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da Iata.

A demanda internacional de passageiros em novembro subiu 6,6% em relação ao mesmo período do ano anterior, acima da taxa de 6,2% registrada em outubro. Todas as regiões apresentaram crescimento, com as companhias aéreas da Europa relatando a maior taxa de crescimento. A capacidade total subiu 6,7% e o fator de carga caiu 0,1 ponto percentual, atingindo 78,4%.

As companhias aéreas da Europa apresentaram aumento de 9,0% na demanda em novembro de 2018, alta que já dura nove meses. Com base nas incertezas do cenário econômico da região, não está claro se esse ritmo de crescimento será mantido. A capacidade subiu 9,1% e o fator de carga caiu 0,1 ponto percentual, atingindo 82,1%, o maior fator de carga entre as regiões.

As companhias aéreas da região Ásia-Pacífico registraram aumento de 6,0% na demanda de novembro em relação ao mesmo período do ano anterior, acima da taxa de 5,7% registrada em outubro. A capacidade também subiu 6,0% e o fator de carga se manteve em 79,1%. O crescimento é sustentado pelo aumento do padrão de vida e expansão contínua das opções para os passageiros.

As companhias aéreas do Oriente Médio registraram aumento de 2,8% na demanda de novembro, que foi o menor entre as regiões pelo terceiro mês consecutivo. A capacidade aumentou 5,6% e o fator de carga caiu 1,9 pontos percentuais, atingindo 69,0%.

As companhias aéreas da América do Norte registraram aumento de 6,1% no tráfego em novembro, acima da taxa de 5,7% de outubro e bem à frente da taxa média de cinco anos de 4,0%. A capacidade aumentou 3,8% e o fator de carga subiu 1,7 pontos percentuais, atingindo 80,6%. O aumento da demanda é impulsionado pelo cenário econômico relativamente forte nos EUA.

O tráfego de novembro das companhias aéreas da América Latina subiu 5,8% em relação a novembro de 2017, acima da taxa de crescimento de 5,2% registrada em outubro. Apesar do aumento, o crescimento desacelerou no ajuste sazonal. A capacidade aumentou 6,6% e o fator de carga caiu 0,6 ponto percentual, atingindo 80,6%.

As companhias aéreas da África relataram aumento de 5,7% na demanda em comparação a novembro de 2017, abaixo da taxa de 6,4% em outubro, mas acima da média de cinco anos de 5,8%. O crescimento está ocorrendo apesar dos desafios nas maiores economias do continente, Nigéria e África do Sul. A capacidade cresceu 3,9% e o fator de carga subiu 1,2 pontos percentuais, atingindo 68,9%.

A demanda por viagens domésticas subiu 5,6% em novembro de 2018 na comparação com novembro de 2017, seu ritmo mais lento em 11 meses e abaixo da taxa de 6,5% registrada em outubro. Todos os mercados, exceto a Austrália, apresentaram crescimento. A capacidade doméstica subiu 6,9% e o fator de carga caiu 1,0 ponto percentual, atingindo 82,8%.

O tráfego doméstico da Índia aumentou 13,3% em novembro em relação a novembro de 2017; este é o 51º mês consecutivo de crescimento doméstico de dois dígitos. Porém, este foi a menor taxa de aumento em 16 meses.

O tráfego doméstico do Brasil subiu 5,3% em novembro, uma alta de quatro meses, apesar do cenário econômico frágil.

 

China: US$ 128 bilhões em 2018 - A indústria de transporte aéreo da China teve uma receita operacional bruta de 875 bilhões de iuanes (cerca de US$ 128,4 bilhões) em 2018, um aumento de 17% em termos anuais, informou a Administração Estatal de Aviação Civil da China na quinta-feira.

Em 2018, a indústria de transporte aéreo da China realizou investimento em ativos fixos no valor de 81 bilhões de iuanes (cerca de US$11,9 bilhões).

Até o final de 2018, a China contava com 235 aeroportos de transporte civil, entre os quais nove eram recém-construídos ou foram realocados em 2018.

A China é um dos mercados de aviação civil mais dinâmicos do mundo. O país ocupa o segundo lugar no ranking mundial de aviação civil e tem um papel determinante no crescimento da aviação global.

Segundo a previsão da Iata, a China se tornará o maior mercado de aviação civil do mundo entre 2024 e 2025.

 

Com informações da Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor