Clientes do Varejo ampliam investimentos em fundos

Mercado Financeiro / 15:00 - 8 de set de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As aplicações em fundos de investimento foram as que mais cresceram na carteira dos clientes do segmento de Varejo e Varejo Alta Renda no semestre, segundo relatório divulgado nesta quinta-feira pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Entre dezembro de 2015 e junho deste ano, os investimentos em fundos tiveram alta de 10,2%, passando de R$ 329,9 bilhões para R$ 363,4 bilhões. No mesmo período, os investimentos em produtos de tesouraria cresceram 6,2%, passando de R$ 458,2 bilhões para R$ 486,5 bilhões. A poupança foi a única a apresentar recuo, de R$ 603,6 bilhões para R$ 584 bilhões, com queda de 3,2%. “Com a taxa Selic em um nível alto e o início de uma definição para o cenário político, cresceu o interesse dos investidores por fundos de renda fixa e, em menor escala, pelos títulos públicos e CDBs (certificado de depósito bancário)”, afirma Marcos Daré, presidente do Comitê do Varejo da Anbima. Considerando todos os produtos oferecidos no Varejo, o volume de recursos cresceu 3% ao ano, passando de R$ 1,39 trilhões para R$ 1,43 trilhões. O número de investidores do segmento Varejo Tradicional recuou de 66,5 milhões para 59,16 entre dezembro e junho, com queda de 11,1%. “É reflexo da saída de recursos da poupança, seja para uso próprio do investidor ou transferência dos ativos para produtos mais rentáveis”, explica Daré.   Tesouraria   Com a diminuição do lastro dos produtos isentos, as LCIs (Letras de Crédito Imobiliário) e LCAs (Letras de Crédito Agrícola) tiveram leve redução na participação das carteiras do segmento varejo alta renda, passando de 12,5% para 12,2% no caso das LCIs e de 8,9% para 8,6% nas LCAs. Os CDBs tiveram leve redução em participação no Varejo Alta Renda (de 13,3% para 12,7%), enquanto no Varejo houve crescimento de 6,6% para 7,3%.. “Os investidores que não encontram mais produtos isentos para investir, aos poucos, estão diversificando as suas aplicações com produtos de baixo risco, como os fundos de renda fixa, os CDBs e os títulos públicos. É uma tendência”.   Investimentos por região   O Estado de São Paulo se mantém na liderança do volume de investimentos, com 38,5% dos recursos aplicados pelos clientes do Varejo. O crescimento frente a dezembro foi de 3%. No semestre, a região Centro Oeste registrou a maior expansão, de 6%, passando de R$ 80 bilhões para R$ 85 bilhões em investimento no Varejo. A região Sul cresceu 4% em volume, de R$ 242 bilhões para R$ 253 bilhões, enquanto o Nordeste cresceu 1%, de R$ 154 bilhões para R$ 156 bilhões. A região Norte se manteve estável em R$ 30 bilhões.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor