Choque das urnas faz Macri abandonar FMI

Presidente argentino anuncia aumento salarial e congelamento de preços.

Internacional / 22:50 - 14 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, anunciou um pacote com medidas econômicas para amenizar os impactos da inflação. Entre as medidas está o pagamento de bônus salariais para todos os trabalhadores (servidores públicos, de empresas privadas e informais).
Além disso, Macri prometeu congelar o preço da gasolina por 90 dias, aumentar o salário mínimo em 2 mil pesos (R$ 136,90 na cotação desta quarta-feira) para os trabalhadores do setor privado e em 5 mil para os servidores estatais.
Outra mudança será permitir que pequenas e médias empresas possam renegociar suas dívidas tributárias em dez anos, sistema similar ao Refis adotado no Brasil. Anunciou ainda redução no imposto de renda dos aposentados e aumento de 40% no valor das bolsas dos estudantes.
As medidas representam um rompimento com as imposições do Fundo Monetário Internacional (FMI), dias após o resultado das primárias das eleições presidenciais, que representaram forte derrota para Macri, que obteve 32% dos votos. A chapa Alberto Fernández e Cristina Kirchner (vice) alcançou 47% e caminha para ser eleita em primeiro turno em outubro.
O presidente argentino chegou a pedir perdão por ter culpado kirchneristas pela crise e disse que o fez pois estava “triste” e “sem dormir”.
A possível vitória de Alberto Fernández não deve afetar o acordo entre Mercosul e União Europeia, analisa, em entrevista à agência Sputnik Brasil, Welber Barral, secretário de Comércio Exterior nos governos Lula e Dilma Rousseff.
“Esse acordo tem uma cláusula muito interessante, o acordo prevê que os países do Mercosul poderão ratificar individualmente a sua participação no acordo. Se por acaso a Argentina atrasar a ratificação, o Brasil, Paraguai e Uruguai poderão acelerar independentemente do voto argentino, ou seja, o Brasil poderá ratificar o acordo com a União Europeia independentemente dos demais membros do Mercosul”, explicou.
 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor