Chineses saem do Comperj e dos campos de Marlin

Petrobras estuda alternativas para Complexo Petroquímico, como processamento de lubrificantes.

Acredite se Puder / 18:51 - 19 de dez de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Petrobras confirmou o que havia sido antecipado por Roberto Castelo Branco na semana passada de que não haveria acordo com a chinesa CNPC para finalizar as obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), pois as duas empresas concluíram, depois de estudo de viabilidade econômica, que a finalização da refinaria, localizada em Itaboraí, no Grande Rio, não é atrativa economicamente. Além disso, também foram encerrados projetos que envolviam a participação de 20% da chinesa no aglomerado de campos de Marlim, ou seja, Marlim, Voador, Marlim Sul e Marlim Leste.

Por causa disso, o Conselho de Administração da Petrobras solicitou um levantamento de alternativas para a área do Comperj. Uma delas é a possibilidade da integração da Refinaria Duque de Caxias (Reduc), com algumas unidades hibernadas para a produção de lubrificantes básicos e combustíveis, produtos que seriam enviados para processamento no Comperj, por meio de dutos. Apesar das decisões desfavoráveis, a Petrobras continuará estudando novas parcerias com a CNPC, como a possibilidade da construção de uma termelétrica, utilizando gás natural do pré-sal.

 

Micos estão excitados

Quando os micos começam a ficar muito excitados, os investidores experientes colocam as barbas de molho. Na B3 começaram a ser registrados exageros. As ações da General Shopping subiram mais de 300% nos últimos quatro pregões, pelo mais irracional motivo possível: na semana passada, a companhia aprovou o grupamento de 36 ações numa só, e os acionistas terão até 10 de janeiro para se adaptar a essas condições. Além disso, a Zenith Asset Management chegou a 3,46 milhões de ações ordinárias, correspondentes a 4,99% do total desse tipo de ativo. Gente, isso não é motivo para provocar alta de 10% na cotação.

 

Norte-americanos não acreditam nos democratas

A bolsa nova-iorquina abriu em alta nesta quinta-feira. Os investidores não se mostram assustados com a aprovação do processo de impeachment de Trump, que não apresenta consequências prováveis, e a Bolsa de Nova York abriu e operou em alta. Parte da euforia foi causada pelos números do emprego, que dão sinais positivos acerca do estado da economia norte-americana.

 

Ser Top5 Itaú dá status e provoca alta

A Gerdau entrou na carteira Top5 do Itaú BBA e se encontra em um ponto ideal para se beneficiar da recuperação da economia brasileira, já que o país responde por entre 55% a 60% de sua geração de Ebitda (incluindo as operações de aços especiais). A equipe de macro do Itaú espera que o crescimento do PIB do Brasil melhore para 2,2% em 2020, seu nível mais alto desde 2013. As ações da Gerdau subiram mais de 3% no pregão desta quinta-feira.

 

MetLife concorda em pagar multa de US$ 10 mi

A MetLife, Inc., companhia norte-americana de seguros de Vida, Dental e Previdência, violou os livros e registros e as disposições de controles contábeis internos em dois erros na contabilização de reservas associadas aos seus negócios de anuidades. Para evitar a continuidade do processo, a empresa concordou em pagar uma multa civil de US$ 10 milhões para a Securities and Echange Commission.

 

O que motiva a alta da Eucatex?

As ações ordinárias da Eucatex subiram mais 40% e já acumulam ganhos de 890% na semana, enquanto as preferenciais valorizaram 14%, totalizando 37% no período. Ninguém sabe o que provoca tal ebulição. Nem a CVM.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor