Advertisement

Chineses querem os ativos brasileiros da portuguesa EdP

Por Nelson Priori.

Acredite se puder / 15 Abril 2019 - 18:32

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Por considerar como muito interessantes os ativos da Energias de Portugal, a China Three Gorges está planejando a compra deles, ao mesmo tempo em que se prepara para reduzir a oferta para a aquisição das ações da elétrica portuguesa e, para conseguir isso, alega que existem preocupações com obstáculos políticos ao negócio e com a própria avaliação da empresa. Devido a isso, examina transações menos ambiciosas, que excluem os ativos norte-americanos da empresa, segundo notícia publicada pela Bloomberg nesta segunda-feira.

A agência norte-americana não deu maiores detalhes sobre o projeto, mas em maio do ano passado, os chineses tentaram registrar uma oferta pública para a aquisição de aproximadamente 9,1 bilhões de ações da EdP na base de 3,26 euros cada. Atualmente estão mostrando preocupações com obstáculos políticos ao negócio e com a própria avaliação da empresa.

Na realidade, o objetivo da CTG era alcançar o controle indireto da subsidiária da EdP Renováveis que está instalada nos EUA. Agora, de acordo com a agência noticiosa, os chineses estão menos ambiciosos, excluindo esses ativos por considerarem que são os que mais tem possibilidade de provocar uma forte oposição dos reguladores.

Além disso, na última sexta-feira, a Comissão de Mercados de Valores Mobiliários apertou a China Three Gorges para que se decida quanto a oferta pública para a aquisição da companhia portuguesa. Com este ultimato, estabeleceu o fim da OPA para depois de 24 de abril, data na qual será realizada a assembleia geral.

.

Apesar dos sustos nada mudou para as ações

Na última semana, o Ibovespa terminou em 92.875 pontos. Nesse nível, existe "uma oportunidade de compra", destaca Thiago Salomão, analista da Rico Investimento. Para ele, apesar de a semana ter sido de fortes emoções para o mercado, com o índice registrando queda de 4,4% devido a preocupação dos investidores com o sucesso da agenda de reformas do governo, o cenário-base otimista não mudou. Ressalta, no entanto, que "enquanto a Nova Previdência não for votada, o Ibovespa deve operar na faixa de indefinição entre 100 mil e 91 mil pontos."

.

Cemig quer a volta da Ana Veloso

Apesar de não ter havido comunicado oficial, circula no mercado que a Cemig quer que a executiva Ana Horta Veloso retorne ao posto de CEO da Light, do qual renunciou em 2017, alegando conflitos com a Andrade Gutierrez.

Outro rumor do mercado é que, como parte do desinvestimento da Cemig, a Light pode ter uma oferta subsequente de ações ainda neste semestre. Atualmente, a estatal mineira tem o controle da companhia elétrica do Rio de Janeiro, com participação de 49,99%, pois adquirir pela merreca de R$ 201,9 milhões a totalidade das ações da Rio Minas Energia Participações (RME) e da Luce Empreendimentos e Participações (Lepsa), que pertenciam ao banco BTG Pactual.

.

Ação da Monster subiu 60.000% desde 2000

A Bloomberg resolveu estudar qual a ação que teve a maior valorização desde 2000 e verificou que, enquanto a Amazon subiu 5.300%, seguida pela Apple com ganhos de 2.300%, acionistas da Monster Beverage (de bebidas energéticas) viram aplicações nesses títulos crescerem 60.000%.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor