China ameaça retaliar EUA com os metais raros

Em 2010, país proibiu exportação de metais raros para o Japão depois da detenção de um capitão chinês de uma embarcação de pesca.

Acredite se Puder / 10:35 - 30 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em 2010, a China proibiu a exportação de metais raros para o Japão depois que houve a detenção de um capitão chinês de uma embarcação de pesca. Agora, as autoridades do país estão começando a estudar a utilização dessa arma na guerra comercial que está sendo travada com os EUA.

Num comentário transmitido pela China Central TV, um responsável pela Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reformas avisou que os produtos que requerem metais raros para a sua produção não devem ser usados contra o desenvolvimento do país, sugerindo que a China poderá interromper o fornecimento destes recursos minerais, utilizados na fabricacão de computadores, smartphones e veículos elétricos. Tal comentário foi interpretado como ameaça velada contra os norte-americanos e as suas tecnológicas, que são fortemente dependentes destes metais.

Como na semana passada, o presidente chinês Xi Jinping visitou algumas unidades de mineração e processamento destes metais em Jiangx, começou a ficar forte à especulação de que esta será a nova arma de Pequim contra Washington. Nesta quarta-feira, foram publicados vários artigos em jornais chineses, defendendo o uso dos metais raros como retaliação contra os EUA, o que levou as ações das empresas de mineração a dispararem em Bolsa. Assim, essa perspectiva levou à grande valorização as ações dos produtores chineses, como a China Northern Rare Earth, que subiram 8,68%; a China Minmetals Rare Earth que ganhou 10% e a JL Mag Rare-Earth que valorizou 10,01%. A Innuovo Technology avançou 9,95% e a Xiamen Tungsten subiu 3,79%.

A China é o maior produtor mundial destes metais raros tendo sido responsável por cerca de 78% da sua produção global no ano passado, como o lantânio e o escândio. Os EUA dependem da China para cerca de 80% das suas importações de metais raros, tendo deixado estes elementos de fora da lista de bens que foram alvo de tarifas.

 

Ações da Netshoes sobem 56% na Nyse

Na terça, ações da Netshoes registraram alta de 7,07%. Na quarta, subiu 19,67%, passando a ser negociada a US$ 3,65, por causa do último lance na briga entre a Centauro e o Magazine Luiza pela compra das suas operações. Em três pregões, a cotação já aumentou cerca de 56%.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor