Chamada Pública da TBG está prevista para julho

Foram recebidos 47 formulários de 15 solicitantes.

Mercado Financeiro / 22:50 - 17 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O resultado da etapa preliminar da Chamada Pública Incremental 2020 para o Gasoduto Bolívia Brasil da TBG (Gasbol), encerrada em 15 de janeiro, confirmou as expectativas promissoras do Novo Mercado de Gás. A chamada pública, que será conduzida pela Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANP), está prevista para julho deste ano.

A ANP aprovou a retomada do processo de chamada pública, autorizando a TBG a divulgar o resultado da Etapa de Proposta Garantida e seguir com os trâmites para assinatura dos contratos de serviço de transporte.

O gasoduto começa na localidade boliviana de Rio Grande, 40 quilômetros ao sul de Santa Cruz de la Sierra, um povoado com apenas 400 habitantes de origem indígena, e se estende por 557 km até Porto Suarez, na fronteira com o Brasil. A TBG, que é uma sociedade anônima brasileira de capital fechado, tem seguinte composição acionária: 51% (Petrobras), 29% (BBPP Holdings Ltda), 12% (YPFB Transporte do Brasil Holding Ltda), e 8% (GTB-TBG Holdings S.À.R.L).

A empresa, regulada pela ANP, atua em toda a cadeia de valor da atividade de transporte de gás natural. Está presente no principal eixo econômico do Brasil, através do gasoduto de transporte Bolívia-Brasil., entregando até 30 milhões de m³/dia de gás natural para as regiões centro-oeste, sudeste e sul do país, que representam mais de 50% do PIB nacional.

Hoje, o gás natural transportado pela TBG é entregue a sete distribuidoras locais que, juntas, atendem 1.2 milhões de consumidores finais. A companhia também abastece termelétricas e refinarias ao longo do traçado de seu gasoduto.

 

Metodologia

 

Na primeira etapa, iniciada em 18 de dezembro de 2019, os carregadores interessados enviaram formulários com solicitações não vinculantes para ampliação de pontos de entrada ou saída no atual Sistema de Transporte e/ou apresentaram demanda por novos pontos no Gasbol.

De acordo com a assessoria de imprensa da TBG, os resultados consolidados foram promissores e superaram as expectativas, com solicitação de 38,7 milhões de m³/dia de capacidade de entrada e 29,5 milhões de m³/dia de capacidade de saída.

A solicitação de capacidade incremental foi realizada por empresas de diferentes áreas de atuação (companhias distribuidoras, indústrias, fornecedores de gás, comercializadoras e empreendimentos do setor termelétrico). Foram recebidos 47 formulários, enviados por 15 participantes.

 

Demanda

 

Segundo a TBG, houve demanda por novos pontos de entrada para injeção de gás natural em três zonas diferentes e novos pontos de saída para utilização da molécula em quatro zonas distintas do gasoduto de transporte, além de ampliações de pontos já existentes.

O somatório das quantidades enviadas através dos formulários de solicitação de capacidade está sujeito a eventuais duplicidades, ou seja, dois agentes podem ter solicitado, simultaneamente, ampliação ou construção do mesmo ponto. Adicionalmente, existe a possibilidade de demanda pontual de capacidade que já pode ser atendida pela infraestrutura existente no Gasbol.

A TBG fará uma análise detalhada através da avaliação esclarecimento junto a cada um dos agentes, bem como a avaliação conjunta de todas as demandas recebidas, visando a adequar o(s) projeto(s) e otimizar a infraestrutura necessária à prestação do serviço”, informou em nota a empresa.

Ao cruzar a fronteira, o gasoduto entra em solo brasileiro por Corumbá (MS). A partir daí, o transporte do gás natural é de responsabilidade da TBG. O gasoduto atravessa cerca de cinco mil propriedades em 136 municípios distribuídos pelos estados de Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor