Cérebros ‘made in Brazil’ cobiçados para exportação

Com corte de verbas para pesquisas, aumenta saída dos melhores cientistas para o exterior.

Fatos e Comentários / 20:04 - 12 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Doze pesquisadores brasileiros estão no rol dos cientistas mais influentes do mundo, segundo lista produzida e divulgada este ano pela consultoria norte-americana Clarivate Analytics. O levantamento anual considerou o número de citações por artigos publicados em um período de dez anos. Os selecionados pertencem ao grupo de 1% de pesquisadores que mantiveram as mais altas médias de citações durante o período.

O cenário de insegurança orçamentária do CNPq, um dos maiores financiadores da pesquisa no Brasil, para pagar bolsas a partir de setembro deste ano, e a ausência de uma política de preservação da força científica do Brasil devem estimular os pesquisadores que já estão no exterior a permanecer por lá. É o que acredita o mestre em Comunicação, jornalista e escritor Rodrigo Lins, que lançou recentemente um livro sobre a internacionalização de carreiras profissionais.

No ranking das melhores universidades do mundo elaborado pelo Times Higher Education, divulgado nesta quarta-feira, o Brasil conseguiu incluir mais 11 instituições, mas as que já constavam da listagem caíram ou ficaram estagnadas. Difícil melhorar sem os melhores profissionais à frente.

A tendência é que a fuga de cérebros aumente. “Nos últimos anos aumentou, e muito, o número de profissionais brasileiros superqualificados que atuam no exterior. Os pesquisadores brasileiros integram essa força inteligente do Brasil que estuda fora para levar conhecimento de ponta de volta ao nosso país. O contingenciamento anunciado deve fazer com que estes profissionais pratiquem um autoexílio e permaneçam fora do país. Um prejuízo incalculável para a ciência e tecnologia brasileiras”, afirma Rodrigo Lins.

Segundo a Capes, com dados de 2016, os Estados Unidos ficaram em primeiro lugar na atração de pesquisadores brasileiros, com 17.517; a França em segundo, com 4.265; e a Alemanha em terceiro, com 4.136 pesquisadores.

 

Críticas ao supérfluo

As críticas referentes ao estilo e à atuação do presidente Bolsonaro continuam predominantes no noticiário da Folha, do Estadão e do Globo. No que diz respeito às reformas, os três jornais marcham juntos em um noticiário favorável, destacando o que julgam ser inevitável para equilibrar as contas públicas, e defendem a diminuição do Estado via privatizações e corte de gastos públicos.

Em suma, enquanto rejeitam o comportamento do presidente, os jornais estão fortemente alinhados com a agenda econômica liberalizante de seu governo”, resume a equipe do Manchetômetro, projeto que acompanha o noticiário, produzido pelo Laboratório de Estudos de Mídia e Esfera Pública (Lemep), sediado no Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).

 

Serviço essencial

O Correio dos EUA (USPS) acumula prejuízo de US$ 5,9 bi nos últimos 3 trimestres. Desde 2007, as perdas somam US$ 70 bi. Os serviços mais rentáveis foram parar nas mãos de empresas tipo FedEx. Mas, sob pressão até dos republicanos e de empresas, Trump desistiu da privatização.

 

Rápidas

A Associação Brasileira dos Bancos (ABBC) realizará dia 26, em São Paulo, o painel Mindset Digital. Na pauta, transformação digital e uso de ferramentas mais ágeis. O encontro tem apoio do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE) e recebe inscrições em abbc.org.br/painelmindset *** A Unicos (Universidade Corporativa Chenut Oliveira Santiago Advogados) promoverá dia 26, na unidade Belo Horizonte, a palestra “Alta Performance Pessoal e Profissional”, com Larissa Romero *** O cenário político-econômico atual estará em pauta na próxima segunda-feira, das 16h às 18h, no III Seminário de Análise Conjuntural do Ibre 2019, no Rio. Participam economistas do FGV Ibre e o cientista político do Insper Carlos Melo. Mais informações: portalibre.fgv.br *** Na próxima segunda-feira, às 10h, a Apeop, a APeMEC e o SindusCon-SP receberão o deputado federal Geninho Zuliani, relator do projeto de lei que altera o Marco Regulatório do Saneamento Básico. O encontro será no auditório da Apeop (Rua Avanhandava, 126, 11º andar – São Paulo-SP) *** O Fórum Social Mundial será em 29 e 30 de outubro, no Rio de Janeiro, na sede do Sindipetro (Av. Passos, 34 – Centro).

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor