Cartel define formação do preço das commodities

Não faz sentido Petrobras fixar combustíveis baseado nos valores dos mercados internacionais.

Fatos e Comentários / 18:00 - 9 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O preço das commodities é controlado por 16 corporações, mostra o economista Ladislau Dowbor, autor de A Era do Capital Improdutivo. A definição dos preços obedece muito mais às especulações do mercado financeiro, que funciona em forma de oligopólio, do que aos mecanismos tradicionais do mercado como oferta e demanda, relata Emanuela Caciatori, graduanda em Direito pela Universidade do Extremo Sul Catarinense (Unesc), que fez trabalho de conclusão de curso sobre “A dependência brasileira no contexto da globalização: uma abordagem desde a política de preços da Petrobras adotada a partir de outubro de 2016”.

Segundo Emanuela, a produção e o consumo do petróleo têm se mantido estáveis nos últimos anos, não obstante os preços oscilem de forma muito frequente. A análise que se faz, portanto, é que essa oscilação, ao passo que beneficia os grupos financeiros (em sua maioria localizados em países europeus ou norte-americanos, e que guardam seus recursos em paraísos fiscais) e os acionistas, prejudica toda a cadeia de produtores e consumidores, que acabam reféns desses mecanismos que são incontroláveis do ponto de vista democrático.

Para a graduanda, a Petrobras acaba se submetendo a essa lógica “oligopólica e financeirizada” ao “adotar praticamente como único critério de precificação a volatilidade internacional”. “No contexto de a economia global ser totalmente dependente dos combustíveis fósseis, e tratando especialmente do caso brasileiro, onde grande parte de todos os produtos são escoados pela malha rodoviária, a situação se torna ainda mais emblemática, na medida em que toda a sociedade é afetada de forma muito direta pela revisão de preço de diesel e gasolina”, conclui.

 

Banqueiro

O Banco Popular da China guarda US$ 3,9 trilhões em reservas, dos quais US$ 1,1 trilhão correspondem a títulos norte-americanos”, relata Xavier Vidal-Folch, articulista do jornal espanhol El País. “Se vender parte deles a preço de saldo, arruína os EUA (com risco também para si próprio, esse empate infinito). Já em 2009, Hillary Clinton alertou que seria muito difícil ‘negociar com pulso firme com o seu banqueiro’”, lembra Folch.

 

Comunicação atual

Saiu o segundo volume de Jornalismo e Estudos Mediáticos, coleção organizada pelo professor Jorge Pedro Souza. Este livro dos programas de doutoramento e pós-doutoramento em Ciências da Informação e da Comunicação da Universidade Fernando Pessoa reúne 23 capítulos, escritos por 30 autores, entre eles, Vinícius Souza, do Jornalistas Livres.

A obra pode ser baixada gratuitamente em http://hdl.handle.net/10284/7713

 

O que é ruim a gente esconde

A imprensa tradicional nunca deixa de mostrar a falência da Venezuela e seu governo dito de esquerda. Mas passa ao largo da crise argentina e seu governo dito de direita. Na classificação feita pela agência Standard & Poor’s (Cenário de crédito com análise fundamentalista em escala global), o país de Maduro aparece com sete setores com notas de CCC+ para baixo (o que significa lixo). A Argentina de Macri contabiliza igualmente sete notas vermelhas.

 

Desapegada

Apesar de ter sido âncora de telejornal no Paraná e de programa da rádio Jovem Pan, além de jornalista da Veja, a líder do governo na Câmara dos Deputados, Joice Hasselmann (PSL), não tem nenhum bem. É o que consta na declaração ao TSE.

 

Rápidas

O secretário de Estado de Fazenda do Rio de Janeiro, Luiz Cláudio Rodrigues de Carvalho, e o procurador-geral do Estado, Marcelo Lopes da Silva, participarão do seminário “Reflexões sobre o Conselho de Contribuintes do Estado do Rio de Janeiro”, no Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), na próxima terça-feira, das 9h às 12h. Inscrições em iabnacional.org.br *** Carlos Cesar Rigolino Junior foi eleito para a presidência da Federação Nacional das Empresas Locadoras de Veículos Automotores (Fenaloc) *** O Baile Caxias Shopping volta a animar os apaixonados pela dança de salão nesta segunda-feira *** Na próxima sexta-feira, será realizado o VI Simpósio de Processo Civil – Inteligência Artificial e o Processo: O Futuro dos Tribunais, das 9h às 18h, na OAB Cubo, em Porto Alegre. A realização é do Iargs junto com o ESA/RS.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor