Câmara chilena corta pela metade salários de políticos

Chile era o país que, na América Latina, pagava as maiores remunerações a seus parlamentares,

Internacional / 00:45 - 28 de nov de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Em resposta à onda de protestos que varre o Chile há quase dois meses, foi aprovada na tarde desta quarta-feira , na Câmara dos Deputados, por unanimidade, a redução de 50% dos salários de parlamentares, ministros, governadores, prefeitos e do presidente Sebastián Piñera. A informação é do jornalista Lucas Rohan para o portal de notícias G1. Contudo, o Senado chileno ainda precisa ratificar a decisão.
A reportagem cita um estudo realizado pelo Centro Latinoamericano de Políticas Econômicas e Sociais (Clapes UC), em 2018, mostrando que o Chile era o país que, na América Latina, pagava as maiores remunerações a seus parlamentares, sem considerar subsídios adicionais, como diárias ou despesas de transporte, entre outros.
“O relatório afirma que, na região, o salário bruto mensal médio no mesmo ano corresponde a US$ 10.205 (R$ 43 mil), ajustado pela paridade do poder de compra (PPC) — o sistema de medição que permite saber o que um dólar pode comprar em cada país e, portanto, faz comparações mais precisas. Os parlamentares do Chile, no entanto, recebem mais que o dobro da média, com US$ 23.035 (R$ 97,2 mil, ajustado ao PPC), seguido pelo México e pelo Brasil, com US$ 20.609 (R$ 87 mil) e US$ 16.462 (R$ 69,5 mil), respectivamente”, diz a reportagem.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor