Advertisement

Caixas pretas

No ano passado, comentou-se abertamente que a Cedae obtivera, no ano anterior, 2016, um lucro que seria superior a R$ 4 bilhões. Como...

Decisões Econômicas / 18 Outubro 2018

No ano passado, comentou-se abertamente que a Cedae obtivera, no ano anterior, 2016, um lucro que seria superior a R$ 4 bilhões. Como conseguira esse milagre se os dirigentes da empresa declaravam e ainda declaram que a Cedae não dispõe de dinheiro para investir na manutenção e ampliação das redes de água e esgoto?

A Cedae é uma das empresas e autarquias públicas que dispõem de duas fontes de receita, originárias, uma pública; e outra dos usuários, ou seja, as duas, na verdade, saem dos bolsos do povo. Agora, por que o estado tem que tirar dos minguados orçamentos da saúde, da educação e da segurança pública para atender às supostas necessidades da Cedae, do Detran, da Loterj, da Jucerja, que são órgãos cujas arrecadações ninguém, com certeza, sabe o montante em reais de cada uma?

O Tribunal de Justiça, por exemplo, tem a segunda maior arrecadação do estado, seguido do Detran. Mas ninguém sabe, de fato, qual é a arrecadação do TJ com emolumentos e taxas judiciárias, nem do Detran, com emplacamento e vistoria de veículos, além de exames de vista e autoescolas. Será que alguém sabe quanto a Loterj arrecada com os sorteios dos jogos que administra e quanto destina às instituições filantrópicas e de caridade? E quanto à Cedae? O que ela faz com o nosso dinheiro?

Essas são as caixas pretas que chamaram a atenção da coluna ao analisar os decretos do governador Pezão, publicados nos DOs de setembro, mexendo nos orçamentos do TJ, da Alerj, do Detran e da Loterj, em que achamos estranho o fato de Pezão interferir na gestão financeira de outros poderes, como a Alerj, em R$ 66 milhões.

 

Gestão fiscal da CMRJ

O DCMJ, de 4 deste mês, publica o relatório da gestão fiscal da Câmara Municipal do Rio, relativo aos meses de setembro de 2017 a agosto de 2018, assinado pela diretora de finanças, Lilian Ferreira Pinto; pelo contador-geral, Rafael Cabral Ribeiro; e pelo controlador-geral, Vinicius Costa Rocha Viana.

De acordo com o relatório, foram movimentados nesse período R$ 436,740 milhões, que representaram 2,21% da despesa total com pessoal da Receita Corrente Líquida do município, R$ 20,780 bilhões. Ainda nesse período, ficaram inscritos na rubrica de Resto a Pagar, R$ 25,066 milhões.

Prefeito Rodrigo Neves

Somente o projeto

Vai custar R$ 1,034 milhão, se ficar pronto até dezembro próximo, o projeto básico de urbanismo para a Orla Marítima de Niterói, compreendendo urbanismo completo. Isto não quer dizer que as mudanças previstas pelo prefeito Rodrigo Neves para as praias centrais de Gragoatá, Icaraí, São Francisco e Charitas estejam concluídas no primeiro semestre de 2019.

Vai levar um pouquinho mais de tempo, porque a menina dos olhos do prefeito é a Região Oceânica, onde moram os novos-ricos. Só para o projeto do Parque Orla de Piratininga estão previstos R$ 17 milhões.