Cai tempo médio de resposta de marcas no Facebook

Informática / 14:32 - 19 de abr de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O levantamento Mídias Sociais 360º (#MS360FAAP) - relativo ao primeiro trimestre de 2016 - revela que as marcas estão dando a devida importância ao relacionamento com o consumidor nas redes sociais. A pesquisa é desenvolvida pelo Núcleo de Inovação em Mídia Digital da Fundação Armando Alvares Penteado (Faap) em parceria com a Socialbakers. Em 2015, no primeiro trimestre, o tempo médio que as marcas levavam para responder ao consumidor era de nove horas e trinta e quatro minutos. No mesmo período, em 2016, esse número caiu para duas horas e cinquenta e um minutos. Mas o setor de comércio eletrônico foi o que mais chamou atenção. - Em nossa última pesquisa, referente ao último trimestre de 2015, as empresas de E-Commerce respondiam ao consumidor, em média, em 44 minutos. Agora a média é de 22 horas e 52 minutos - ressalta a professora Karina Bousso, uma das pesquisadoras envolvidas no estudo. Ela aponta que não há uma única explicação para essa mudança drástica, mas orienta: "é importante que as empresas desse segmento observem como anda o atendimento em seus canais nas redes sociais". Se as interações do Facebook têm ganhado em velocidade por parte das marcas, o YouTube mostra-se como a de maior ampliação. Na apuração feita há um ano, a média de visualizações dos vídeos era de 134.098. Na mais recente - jan, fev e mar , esse número é de 205.678. Além disso, o número médio de inscritos nos canais das 100 principais marcas era de 17.692 no primeiro trimestre de 2015. Já em 2016, no mesmo período, esse número cresceu para 36.313. É nítida a desaceleração no crescimento no número de usuários do Twitter. Entre janeiro, fevereiro e março de 2015, a média de novos seguidores das 100 maiores marcas da plataforma era de 16.839. Nos mesmos meses deste ano, o número de novos seguidores baixou para 10.244. A tendência de queda no crescimento é clara quando se observa os números dos três meses anteriores (outubro, novembro e dezembro de 2015), quando a média de crescimento já era de 10.953. Ainda que aumente a quantidade de filtros oferecidos na plataforma de imagens, a esmagadora maioria das postagens feitas pelas marcas no Instagram (98%) não os utiliza. "Entendemos que as imagens postadas pelas empresas já passam por algum tipo de tratamento e preparo, ou seja, são menos espontâneas - se comparadas com aquelas feitas pelo usuário comum. Vem daí o pouco uso dos filtros da ferramenta", explica o Prof. Adriano Cerullo, que é também o Diretor de Arte responsável pelo design do infográfico #MS360FAAP. A pesquisa mostrou também que no primeiro trimestre de 2016, o setor que mais teve interações do público no Facebook foi o de Mídia/Notícias, com uma média de 9.215.109, a maior parte delas como comentários. No Twitter, a interação mais utilizada pelo público com as postagens das marcas é "favoritar", com uma média de 11.401 ações no período analisado; no Instagram, no primeiro trimestre de 2016, as 100 marcas analisadas ganharam em média 77.168 likes. O #MS360FAAP analisa trimestralmente o comportamento das 100 marcas com mais seguidores nas redes sociais brasileiras, desde 2014. O objetivo é estudar o desempenho dos 100 maiores perfis nas quatro principais plataformas de redes sociais utilizadas para o relacionamento entre as marcas e seus consumidores: Facebook, Twitter, Instagram e Youtube.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor