Brasil teve quase 1.500 fusões e aquisições envolvendo R$ 367 bi

Negócios com empresas de tecnologia avançaram 39% em 2019

Mercado Financeiro / 23:41 - 15 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

R$ 307 bilhões foram transacionados no Brasil no ano passado, o que reforça uma tendência de aquecimento na dinâmica das fusões e aquisições. O Brasil segue liderando o mercado da América Latina em fluxo de transações em diversos aspectos. É isso que comprova o Relatório Mensal do TTR (Transactional Track Record) referente ao quarto trimestre.

Mais uma vez o setor de tecnologia lidera o número de transações com 351 negócios registrados, o que representa um crescimento de 39% em relação ao mesmo período do ano passado. Mais da metade das transações neste setor foram realizadas por investidores financeiros (Fundos de Private Equity e Venture Capital).

Durante o ano de 2019 o TTR mapeou 1.448 transações envolvendo empresas brasileiras, o que representa um aumento de 17,5%. O valor total transacionado foi de R$ 307 bilhões, uma alta de 58,6%. “São números muito positivos e que vem crescendo a cada ano, foram mapeadas 1.054 transações em 2016; 1.197 em 2017; e 1.236 em 2018”, destaca o relatório. As transações realizadas pelos investidores financeiros (Fundos de Private Equity e Venture Capital) representam cerca de 40% do total de transações e somam aproximadamente R$ 35 bilhões, tendo em conta apenas as que possuem valor não confidencial.

 

Âmbito geográfico

 

O TTR mapeou um total de 328 transações onde empresas brasileiras foram adquiridas por estrangeiras (cross-border inbound) e um valor total de R$ 174 bilhões. Este ano as empresas dos Estados Unidos foram as que mais compraram empresas brasileiras, com 112 negócios registrados, o que representa um aumento de 10,2% em relação a 2018. No sentido inverso os Estados Unidos foi o destino favorito das empresas brasileiras que realizaram aquisições no exterior.

Os fundos de Private Equity transacionaram um total de R$ 25,2 bilhões em 2019, o que representa um aumento de 27,3% em relação ao ano de 2018. Este valor é uma referência tendo em conta que apenas 51% das transações tiveram seus valores divulgados. A maior parte dos negócios envolveram fundos estrangeiros, um total de 54 transações que movimentaram R$ 15,9 bilhões.

O setor que mais atraiu o interesse dos fundos de Private Equity foi o Financeiro e Seguros com 18 transações que representaram um aumento de 125% em relação ao ano anterior, seguido do setor tecnológico, que cresceu 33%.

 

Venture Capital

 

Em 2019, os fundos de Venture Capital transacionaram mais de R$ 10 bilhões, o que retrata um crescimento de 20,7% em relação ao ano de 2018. Podemos ressaltar que de 274 transações, 190 foram realizadas por fundos brasileiros e o restante por fundos estrangeiros.

O setor que mais atraiu o interesse dos fundos de Venture Capital foi o tecnológico com 160 transações, o que representa um aumento de 40%. O fundo brasileiro Redpoint e.Ventures terminou o ano como o mais ativo com 18 transações, seguido pelo também brasileiro Canary com 16 investimentos.

Em relação a IPOs, o ano terminou com oito aberturas de capital concluídas e mais quatro em andamento. No total as completadas somaram cerca de R$ 20 bilhões movimentados. A partir de 2017, vemos um grande crescimento na busca de financiamento por meio da abertura de capital, com um salto de apenas um IPO em 2016, para 11 em 2017, com R$ 20,6 bilhões captados. A partir disso houve um fluxo sem muitas variações radicais, desta forma, em 2018 houve uma diminuição de 45% no número de IPOs, porém apenas 6% na redução do montante total.

A conclusão da aquisição pela América Móvil de de 100% da Nextel Brasil e suas subsidiárias foi eleita pelo TTR como a transação destacada do quarto trimestre. O valor da operação foi de USD 905m.

Em lei brasileira a América Móvil contou com a assessoria do BMA – Barbosa Müssnich Aragão. No valor vendedor o escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr. e Quiroga Advogados foi assessor da NII Holdings. Com referência aos assessores financeiros, o Banco Itaú BBA lidera o ranking em volume com 44 transações, enquanto o ranking por valor total é liderado pelo BR Partners com R$ 52,6 bilhões.

Já na assessoria jurídica, no tocante ao volume de transações o escritório Pinheiro Neto Advogados lidera o ranking com 108 transações assessoradas. Já o ranking por valor total é liderado pelo escritório Machado, Meyer, Sendacz e Opice Advogados com um total de R$ 63,1 bilhões, seguido do escritório Mattos Filho, Veiga Filho, Marrey Jr e Quiroga Advogados com R$ 55,08 bilhões.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor