Brasil tem maior explosão da desigualdade desde 1960

Ritmo aumenta quase 7 vezes mais que na ditadura e na transição para democracia.

Conjuntura / 23:25 - 30 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Brasil assiste a explosão da desigualdade de renda, jamais identificada desde o ano de 1960, quando o IBGE passou a captar informações acerca do rendimento da população nos censos demográ-ficos. O novo padrão de concentração da renda que emerge dos governos da segunda metade da década de 2010 transcorre de forma inédita, pois combina o decréscimo econômico com a desestrutu-ração do mundo do trabalho e a elevação acelerada da pobreza.
A constatação é do economista Marcio Pochmann, em artigo publicado na Rede Brasil Atual.
Segundo Pochmann, entre os dois golpes de Estado de 1964 e 2016 que comprometeram o regime democrático no país, encontram-se três distintos padrões de elevação da desigualdade da renda registrada pelo IBGE e medido pelo Índice de Gini (desigualdade variando de 0 a 1, sendo 1 a desigualdade extrema e zero ausência de desigualdade na distribuição pessoal dos rendimentos). 
“No primeiro padrão registrado durante a ditadura civil-militar houve rápido crescimento econômico aliado à expansão significativa do emprego formal e à queda acelerada na taxa de pobreza. Apesar disso, o índice de Gini cresceu em média 0,8% ao ano entre 1960 e 1980, passando de 0,50 para 0,59”, aponta o economista.
No segundo padrão – prossegue Pochmann –, transcorrido durante a transição da ditadura para a democracia, destacaram-se a drástica crise da dívida externa, a desorganização das finanças públicas e a aceleração inflacionária. “Em 15 anos de superinflação (1979-1994), o patamar médio de aumento anual no custo de vida foi de 734,4%, ou seja, 18 vezes superior ao vigente anteriormente (de 1960 a 1980). Ao mesmo tempo, a taxa de pobreza aumentou 1,1% como média anual e o emprego formal manteve-se relativamente estabilizado.”
Por fim, o terceiro padrão de elevação na desigualdade de renda que se apresentou explosivo desde 2015, com elevação média anual de 6,1% no índice de Gini que pulou de 0,49, em 2014, para 0,63, em 2019. 
O economista conclui que o governo Bolsonaro conduz o Brasil no momento de crescimento espalhafatoso da desigualdade de renda, quase sete vezes mais rápido que nos dois padrões anteriores.
 

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor