Advertisement

Brasil e Chile reduzem barreiras comerciais

Negócios Internacionais / 17 Setembro 2018

A secretária-executiva do Ministério da Indústria Comércio Exterior e Serviços (Mdic), Yana Dumaresq, assinou memorando de entendimento que estabelece a criação do Comitê Regulatório Brasil-Chile. Do lado do governo chileno, o documento foi assinado pelo diretor-geral de Relações Econômicas Internacionais do Ministério das Relações Exteriores do Chile, Rodrigo Yañez Benítez. A assinatura foi realizada na abertura da reunião bilateral da Comissão de Monitoramento do Comércio Brasil-Chile, no Mdic, em Brasília.

De acordo com a secretária-executiva do Mdic, a criação do Comitê Regulatório Brasil-Chile vai contribuir para o aumento das trocas bilaterais de comércio, pois, segundo ela, os temas não tarifários são cada vez mais estratégicos para o comércio internacional. De acordo com Yana Dumaresq, os dois países estão caminhando em uma rota de modernização do comércio.

O Comitê será um foro para discussão de assuntos de interesse dos dois países referentes a barreiras ao comércio, como metrologia, regulamentos técnicos e procedimentos de avaliação da conformidade. A ideia é que este seja um mecanismo ágil de consultas e busca de soluções de menor custo nas relações bilaterais, buscando facilitar o acesso a mercado em questões regulatórias.

Para isso, Brasil e Chile poderão intensificar a cooperação técnica e regulatória, a troca de informações sobre suas estruturas institucionais, práticas e diretrizes, assim como adotar iniciativas facilitadoras de comércio.

A secretária-executiva do Mdic também salientou o aumento expressivo do comércio bilateral observado em 2017 em relação ao ano anterior – crescimento de cerca de 21,8% da corrente de comércio, de 23,3% nas exportações brasileiras para o Chile e de 19,2% nas importações brasileiras provenientes do Chile. Destacou, ainda, que o Chile é um dos mais importantes parceiros comerciais do Brasil (8º maior parceiro comercial, 6º destino das exportações e 10ª origem das importações em 2017). De acordo com o Banco Central (BCB), o estoque de investimentos do Chile no Brasil em 2016 (última atualização) foi de aproximadamente US$ 8,7 bilhões, o que colocou aquele país na 18ª posição no ranking de principais investidores no Brasil.

 

Cresce exportação de carne bovina em agosto

A quantidade de carne bovina in natura comercializada no exterior apresentou recorde mensal no resultado de agosto, com 144,42 mil toneladas negociadas, aumento de 17,6%, e de 13,5% de crescimento em valor (US$ 590 milhões). A alta foi registrada apesar da queda do preço médio (- 3,5%) no período, conforme o Boletim da Balança Comercial do Agronegócio divulgado pela Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) nesta sexta-feira (14). Os principais destinos foram a China, com 33,3 mil toneladas (+23%), e Hong Kong, com 26,6 mil toneladas (+18%) da carne bovina in natura.

As exportações do agronegócio, entre janeiro e agosto, foram de US$ 68,52 bilhões (+4,7%). Essa elevação ocorreu em função, principalmente, do aumento do volume exportado, que subiu 3,8% no período analisado. As importações no setor apresentaram queda de 0,7% e totalizaram US$ 9,47 bilhões no período. Como resultado, o saldo da balança comercial do agronegócio nos primeiros oito meses do ano foi de US$ 59 bilhões.

 

CNI promove rodada com compradores estrangeiros

A Rede Brasileira de Centros Internacionais de Negócios (Rede CIN), coordenada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), promoverá uma série de encontros de negócios itinerantes entre compradores estrangeiros e empresas brasileiras até o fim de novembro, em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) . Os encontros acontecerão em 11 cidades brasileiras e serão divididas por setor. As oportunidades focam em alimentos e bebidas, cosméticos, metalmecânico, moda e móveis.

Segundo a gerente de Serviços de Internacionalização da CNI, Sarah Saldanha, o objetivo das rodadas é a promoção de negócios e o estreitamento de vínculos entre indústrias brasileiras e potenciais clientes na América Latina. “Há muito espaço nos mercados vizinhos ao Brasil. Nos encontros, os compradores descobrem novos produtos e as empresas brasileiras enxergam mais oportunidades de inserção

Informações: www.portaldaindustria.com.br/cni/

 

Vendas externas de calçados registram queda

Pelo quarto mês consecutivo, as exportações de calçados brasileiros apresentaram queda, segundo informações divulgadas nesta segunda-feira (10) pela Associação Brasileira das Indústrias de Calçados (Abicalçados). Em agosto, foram embarcados 8,8 milhões de pares por US$ 82,9 milhões, o que representa queda de 7,3% em volume e de 9,2% em receita no comparativo com agosto de 2017.

No acumulado de janeiro a agosto, foram vendidos ao exterior 69 milhões de pares, o que equivale a US$ 628,3 milhões, uma queda de 10,2% na receita no comparativo com igual período de 2017. “Apesar do dólar valorizado ante o real, o que tornaria o produto brasileiro mais competitivo no exterior, existe uma desvalorização generalizada das moedas dos principais clientes internacionais frente à moeda norte-americana, o que anula o efeito positivo que o fato poderia ter nos embarques”, disse o presidente-executivo da Abicalçados, Heitor Klein.

 

Première Vision Paris terá dez brasileiras

Entre os dias 19 e 21 de setembro, uma delegação brasileira desembarca na capital francesa para a segunda edição de 2018 da Première Vision Paris. O grupo é composto por dez empresas participantes do Texbrasil (Programa de Internacionalização da Indústria Têxtil e de Moda Brasileira) e do Brazilian Leather — programas de internacionalização realizados por meio de parcerias entre a Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e a Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e de Confecção) e o CICB (Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil), respectivamente.

A Moltec (insumos), Vicunha (têxtil), Savyon (têxtil), Dash Studio (estamparia), Estúdio Icertain (estamparia), Estúdio Lamparina (estamparia) e Estúdio Aurum (estamparia), Best Brasil (couro), Nova Kaeru (couro) e Rusan (couro) apresentam seus lançamentos no tradicional evento de materiais, entre esses tecidos, insumos, couro e design. Segundo Fábio Garcia, do Dash Studio, o principal objetivo é fidelizar os clientes prospectados nas edições passadas. A empresa participa do evento há dois anos consecutivos. “Nós somos muito procurados entre as edições da PV pelos contatos que fazemos durante as feiras. Esperamos que essa edição seja próspera como as outras e resulte em bons contatos”, explica.

Contato com o colunista: pietrobelliantonio0@gmail.com