Bradesco acha que paralisação de 14% da frota não afeta Gol

Companhia deverá ser indenizada pela Boeing após agência determinar inspeções em modelo NG.

Acredite se Puder / 19:30 - 10 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Gol Linhas Aéreas Inteligentes retirou de operação 11 jatos, o que afetará 3% dos passageiros da empresa até 15 de dezembro, cumprindo a determinação da Federal Aviation Administration que recomendou que todos os operadores dos modelos mais antigos do 737, conhecidos como Next Generation ou NG, realizassem inspeções em busca de rachaduras na estrutura que prende a asa na fuselagem do avião. Com isso, a companhia aérea ficou com 18 aviões sem voar, o que significa a imobilização de 14% da sua frota.

Os analistas do Bradesco BBI consideram que, apesar de a notícia ser negativa, a empresa conseguirá superar esse crise ao mudar sua manutenção preventiva ou aumentar o número de “block-hours” de 11,7 horas para 12,8 horas. Além disso, acreditam que o impacto financeiro será neutralizado, aumentando o “load factor” e tarifas aéreas dada a capacidade reduzida e também preveem que as onze aeronaves voltarão ao nivel operacional antes da alta temporada. Os especialistas do banco acham que Boeing provavelmente indenizará a Gol por esse impacto. Assim, mantiveram a recomendação de outperform e preço-alvo de R$ 59 para 2020. A cotação das suas ações ficou estável no pregão da quinta-feira.

 

Analistas do Pactual fazem análise confusa

O difícil momento enfrentado pelo BTG Pactual, como as investigações da Polícia Federal e a recusa da Comissão de Valores Mobiliários de aceitar R$ 200 mil para não levar adiante um processo contra a instituição, deve estar afetando em seus funcionários, conforme demonstra a confusa análise sobre a CVC Brasil. No documento, depois de os analistas ressaltarem que a empresa apresentou um desempenho fraco no segundo trimestre, dizem que suas ações serão uma das principais apostas do banco para o momento da recuperação da economia brasileira a partir do segundo semestre deste ano. E elevaram o preço-alvo de R$ 60 para R$ 64, o que representa a possibilidade de valorização de cerca de 19%. Tal recomendação não teve o menor reflexo, pois as ações da CVC caíram 1,64% para R$ 52,60. Atualmente, enxergam a negociação dos títulos com preço sobre o lucro de 25x. Existem ações mais baratas no mercado.

 

Número de alunos da Yduqs aumenta 45%

A Yduqs, novo nome fantasia para substituiu Estácio, encerrou o período de captação de alunos do segundo semestre deste ano com desempenho 45% acima do mesmo intervalo do ano passado, com a incorporação de 40.762 alunos. A empresa destacou a recuperação do segmento presencial, com crescimento de 20% e que atingiu a 7.589 novos alunos no período e a manutenção do ritmo de crescimento de 62% no segmento EAD + Flex, com a captação de 33.173 novos alunos.

Por outro lado, a empresa ressalta que essa postura teve como consequência, nos números preliminares de tíquete médio, um indicativo de queda, que será informado juntamente com a divulgação dos resultados do terceiro trimestre de 2019. A base de alunos de graduação atingiu 495.293 alunos ao final de setembro, com crescimento de 10% sobre igual período de 2018. A base de graduação presencial ex-FIES cresceu 6%. As ações da Yduqs tiveram valorização de 6,86%, sendo negociadas a R$ 36,44.

A dúvida dos analistas é como os novos alunos terão de dizer: “eu estudo na Uaiduqs (americanizando a pronúncia), ou no Iduqs, como falariam no alto sertão nordestino.

 

Iguatemi vende participação em Santa Catarina

A Iguatemi Empresa de Shopping Centers vendeu sua participação de 30% no Shopping Iguatemi Florianópolis para a Vinci Shopping Malls por R$ 110,25 milhões, pagos à vista, e equivalente a um múltiplo de 12,3x. Os analistas não esperam que a empresa faça novos desinvestimentos ainda neste ano.

 

Fraca a estreia da Vivara na B3

As ações da Vivara estrearam na B3, mas o desempenho não foi o esperado pelos lançadores. Depois do IPO na base de R$ 24, chegaram a ser negociadas a até R$ 24,84, mas cederam e reduziram a alta para 0,75%, baixando para R$ 24,18.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor