Bolsonaro descarta recriar Ministério da Segurança Pública

'Em time que está ganhando não se mexe', disse; 'desde a transição já não queriam a fusão', completou.

Política / 15:51 - 24 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O presidente Jair Bolsonaro descartou a possibilidade de recriação do Ministério da Segurança Pública.

"O Brasil está indo muito bem. Segurança pública, os números demonstram que estamos no caminho certo e a minha máxima é 'em time que está ganhando não se mexe'. Lógico que está descartado", disse.

"A chance no momento é zero, não sei amanhã. Mas não há essa intenção de dividir".

Ao assumir o governo, no ano passado, Bolsonaro decidiu fundir os ministérios da Segurança Pública e o da Justiça, resultando na pasta que vem sendo comandada desde então pelo ex-juiz Sergio Moro. Na quarta-feira, entretanto, integrantes do Colégio Nacional de Secretários de Segurança Pública (Consesp) se reuniram com o presidente, em Brasília, e pediram a recriação do ministério exclusivo para o setor.

"Desde a transição já não queriam a fusão. Há interesse de parte de setores da política. Nós simplesmente aceitamos, recolhemos as sugestões educadamente, dissemos que vamos estudá-las e os ministérios continuam sem problema", disse Bolsonaro.

"Os secretários, alguns, não são todos, estão querendo a divisão, alguns podem estar bem-intencionados, outros podem querem apenas enfraquecer o governo. Não existe qualquer atrito entre eu e o Moro, eu e o Paulo Guedes, eu e qualquer outro ministro", destacou.

Além de pedirem a recriação da pasta especializada, os secretários estaduais pediram a ampliação das verbas do Fundo Nacional de Segurança Pública, a redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), de equipamentos de segurança e a determinação nos contratos de concessão, para que operadoras de telefonia façam o bloqueio de sinal de celular em áreas de segurança, como presídios. Na ocasião, Bolsonaro disse que iria avaliar os pedidos "o mais rápido possível".

 

Com informações da Agência Brasil

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor