Bolsonaro, acabe com auditores independentes, são desnecessários

Deixe de lado esta obrigação burocrática, o mercado pode cuidar de si.

Acredite se Puder / 17:32 - 12 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A B3, operadora da bolsa brasileira, obteve lucro de R$ 654,8 milhões no segundo trimestre, com queda de 9,6% em relação ao mesmo período do ano passado. A instituição alega que essa redução foi consequência, entre outros, dos encargos sociais, trabalhistas e provisões. Ora, como a B3 é uma das raposas que pretendem colocar tomando conta do galinheiro, essa coluna se deu ao trabalho de olhar as contas da empresa. A primeira surpresa é com o gasto de R$ 2,5 milhões com quatro auditores independentes da Ernst & Young Terço Associados. Aí fica logo uma pergunta: esse valor é alto ou baixo, de vez que significa pouco mais de R$ 510 mil anuais por técnico? A segunda pergunta é: quatro auditores são suficientes para examinar as contas de uma empresa gigantesca como a B3?

Depois disso, existe um detalhe que mostra que os auditores independentes são desnecessários. É o que diz respeito ao montante total das remunerações dos auditores por serviço. Os quatro concordaram que mandassem ver na nota 2.4. Em lá chegando encontra-se a singela afirmação de que não existem outras informações relevantes que não as consideradas no item 2. Os acionistas adorariam que esse dinheiro fosse convertido em dividendos.

 

JPMorgan puxou as ações da Qualicorp?

A Rede D’Or São Luiz anunciou a assinatura de contrato para comprar aproximadamente 10% das ações ordinárias da administradora de planos de saúde Qualicorp, pertencentes ao fundador da companhia, José Seripieri Filho, vulgo Júnior, que até a conclusão da operação permanecerá como CEO e membro do conselho da companhia. Depois, deixará esse cargo passando a ser apenas um acionista indireto, detendo uma participação de somente 9,9%. A Rede D’Or pretende atuar ativamente e alterar a composição da administração da Qualicorp.

Mas qual o motivo que causou a alta de 30% nas ações da Qualicorp? Imediatamente após a notícia, o JPMorgan soltou relatório elevando a recomendação de neutra para overweight, ou seja, com exposição acima da média do mercado e estabelecendo preço-alvo de R$ 35. A Comissão de Valores Mobiliários tem a obrigação de descobrir o motivo de tanta rapidez. Será que não houve a intenção de criar condições artificiais para os preços?

Os analistas do Bradesco BBI foram mais moderados e avaliaram o valor estratégico para a Rede D’Or na aquisição da participação, já que a empresa possui um segmento de corretagem, o que permite que ela permita um melhor preço de seus serviços dada a maior gama de informações Tendo em vista os lançamentos de produtos de seguros de “rede fechada” pelas seguradoras, ter participação na Qualicorp pode permitir que a rede de hospitais crie novos produtos e solução para a falta de produtos mais acessíveis da vendedora de planos. Mas a maturação desse planos será lenta. Então fica a dúvida: a alta foi motivada pelo anúncio da saída do Junior? No primeiro pregão da semana, as ações da Qualicop desvalorizaram mais de 3%.

 

Avianca não prejudicará mais a CVC

Na sexta, ações da CVC Corp valorizaram 7,4%. A crise provocada pela Avianca causou menos danos que o esperado. A empresa teve um prejuízo de R$ 17,4 milhões por causa de reembolso e reacomodação de passageiros. Se isso não tivesse acontecido, haveria lucro de R$ 41,1 milhões.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor