Blackrock reduz investimentos em empresas que exploram carvão

CEO advertiu que as mudanças climáticas representam um risco maior para os mercados.

Acredite se Puder / 18:18 - 14 de jan de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Blackrock estava sendo acusada de não usar sua influência pela causa ambiental. A diretoria da maior gestora de fundos de investimento do mundo, com patrimônio de cerca de US$ 7 trilhões, então, decidiu fazer substanciais alterações, e a principal delas é a redução dos investimentos nas empresas que tiverem mais de 25% das suas receitas obtidas em atividades ligadas à exploração de carvão. Enquanto isso, vai duplicar a quantidade de aplicações nas companhias que tiverem foco sustentável, chegando em pouco tempo a umas 150 unidades. Isso consta da carta anual que o seu CEO, Larry Fink, escreveu para os clientes e diretores da instituição e que foi divulgada nesta terça-feira, na qual ressalta que o investimento sustentável é a base mais forte para o futuro das carteiras de aplicadores em sua empresa.

O CEO da Blackrock advertiu que as mudanças climáticas representam um risco maior para os mercados, tornando a crise diferente das anteriores, pois é muito mais estrutural e de longo prazo. Assim, as empresas, os investidores e os governos devem se preparar para uma redefinição e realocação do seu capital. Flarry acredita que os portfólios integrados em sustentabilidade e clima podem fornecer melhores retornos ajustados aos riscos para os investidores. E adiantou que a Blackrock vai começar a pressionar as suas empresas a divulgarem o risco climático associado à sua atividade, de acordo com os padrões estabelecidos pelo Sustainability Accounting Standards Board.

 

Com Now, B2W entregará alimento em 2 horas

Sem revelar o valor da transação, a B2W Digital informou que adquiriu a totalidade das ações do SuperNow Portal e Serviços de Internet, empresa que administra a plataforma Supermercado Now, focada no varejo alimentar pelo e-commerce. O Now é uma plataforma que começou a operar em 2016 e atualmente tem parceria. Através dela, o cliente escolhe um supermercado e seleciona os produtos que quer comprar, com opções de entrega no endereço definido por ele em até duas horas ou em horário agendado. Segundo nota da B2W, os consumidores cadastrados são de alta recorrência, realizando em média de duas a três compras por mês. Será que as entregas serão feitas com as bicicletas do Itaú?

 

Petrobras se livra de perder dinheiro

A Petrobras comunicou a decisão de colocar em hibernação a fábrica de fertilizantes, único ativo da Araucária Nitrogenados, no Paraná, e vai demitir os 396 empregados da unidade. A estatal se esforçou em se desfazer da subsidiária que, desde que foi adquirida, em 2013, só gera prejuízos, sendo que nos primeiros nove meses do ano passado gerou perdas de cerca de US$ 250 milhões, e as previsões para 2020 indicavam que o resultado negativo poderia superar R$ 400 milhões, afirmou a Petrobras. O pitoresco é que o preço do resíduo asfáltico, matéria-prima utilizada na fábrica, é maior que o valor de mercado da amônia e da ureia, seus produtos finais.

 

Risco é elevado, mas Citi recomenda Marfrig

Apesar de ressaltar que o risco é elevado, os analistas do Citi estão indicando a compra das ações da Marfrig por causa das perspectivas da empresa nos Estados Unidos. Bem animados, elevaram o preço-alvo das ações de R$ 11,50 para R$ 14, o que significa potencial de alta de 27%. No relatório do banco norte-americano, são apontados três motivos para a melhoria da recomendação: a) a possibilidade de que o consumo de carne cresça neste ano nos EUA; b) a projeção de que maior geração de caixa, após a aquisição da fatia de 31% que a Jefferies Financial Group detinha na National Beef e c) a saída do BNDES do seu quadro de acionitas, reduzindo o risco de interferências do banco estatal na gestão da companhia.

Ressaltam que a recente injeção de R$ 901 milhões na caixa da companhia, por meio de um follow-on, e o uso desse dinheiro para quitar antecipadamente dívidas com juros altos mostram que a empresa está mais preocupada em reforçar seu balanço, do que em expandir seus negócios por meio de aquisições.

 

Fitch eleva nota da JSL

A Fitch Ratings elevou de negativa para estável a nota do JSL do Brasil. Os IDRs foram mantidos em BB, mas a agência ressalta a liderança e resiliência do grupo no mercado brasileiro de logística, afirmando que entregará um fluxo de caixa robusto e margens razoáveis.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor