Dívida pública atinge maior nível desde 2003

Governo pagou R$ 366 bilhões em juros nos últimos 12 meses.

Conjuntura / 15:42 - 29 de nov de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) alcançou R$ 3,961 trilhões em outubro, o equivalente a 55,9% do Produto Interno Bruto (PIB), elevando-se 0,6 ponto percentual (pp) em relação a se-tembro e 1,8 pp desde o início do ano. É a maior proporção em relação ao PIB desde março de 2003, quando registrou 58,5% do PIB.

Segundo o Banco Central, a alta em outubro refletiu o efeito da valorização cambial de 3,8% no mês e da incorporação de juros nominais. O pequeno superávit primário e o magro crescimento do PIB nominal impediram um resultado pior. Nos últimos 12 meses, o setor público pagou R$ 366,5 bilhões em juros nominais.

A Dívida Bruta (DBGG) – que compreende o Governo Federal, o INSS e os governos estaduais e municipais – alcançou R$ 5,549 trilhões em outubro, equivalente a 78,3% do PIB, redução de 0,7 pp em relação ao mês anterior. A situação ainda é pior do que no início de 2019, quando a relação dívida/PIB estava em 77,5% do PIB. O melhor resultado alcançado pela DBGG foi em dezembro de 2013 (51,5% do PIB).

O cronograma de vencimentos da DLSP mostra que, em outubro, 14,6% do total venciam em até 1 ano, e 6,1% venciam após 20 anos. No caso da DBGG, 32,3% venciam em até 1 ano, e 6,5% venciam após 20 anos.

O Banco Central informou que o setor público consolidado, formado pela União, os estados e os municípios, registrou superávit primário de R$ 9,444 bilhões em outubro. Esse é o maior resultado para o mês desde outubro de 2016, quando chegou a R$ 39,589 bilhões.
O resultado primário é formado pelas despesas menos as receitas, sem considerar os gastos com juros. Em outubro de 2018, também houve superávit: R$ 7,798 bilhões.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor