BB Seguridade espera aceleração de receita no quarto trimestre

Mercado Financeiro / 14:09 - 7 de nov de 2016

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A BB Seguridade, que reúne as participações do Banco do Brasil em seguros e previdência, deve acelerar as receitas na maioria das linhas de negócios neste final de ano, após as operações terem sido afetadas pela greve dos bancários no terceiro trimestre, disse o diretor financeiro e de relações com investidores da companhia, Werner Suffert. "Tanto por efeitos sazonais quanto operacionais, a expectativa é de melhora em quase todas as linhas de negócios no quarto trimestre", disse Suffert à Reuters, destacando as áreas de seguros agrícola, vida, previdência, capitalização e veículos. Mais cedo, a empresa, que reúne as participações do Banco do Brasil em seguros e previdência, anunciou que teve lucro líquido de R$ 988 milhões no terceiro trimestre, quase 4% inferior ante igual etapa de 2015. A receita financeira atingiu R$ 40,702 milhões entre julho e setembro, alta de 1,1% frente ao terceiro trimestre do ano passado. Segundo a BB Seguridade, o resultado do lucro líquido ajustado é explicado pelo crescimento de 7,7%, ou R$ 20,6 milhões, no resultado financeiro combinado, que foi compensado pela queda de 2,8%, ou R$ 20,3 milhões, no resultado operacional não decorrente de juros combinado, ambos líquidos de efeitos tributários. Com isso, no acumulado do ano até setembro, a BB Seguridade tem lucro líquido 3,4% maior do que em igual período do ano passado, nível abaixo do previsto, de alta de 4% a 8%. De todo modo, a companhia manteve a previsão, mesmo sabendo que ainda não há sinais robustos de retomada da economia do país, que enfrenta sua pior recessão em oito décadas. "Devemos ver uma melhora significativa no quarto trimestre nas vendas nas agências do BB, que são nossa principal rede de distribuição", disse Suffert. Juros A BB Seguridade já trabalha com cenário de menores ganhos financeiros para os próximos trimestres, na esteira do ciclo de queda da Selic, iniciada em outubro. O retorno sobre patrimônio líquido ajustado foi de 48,9% no período, queda de 5 pontos percentuais em 12 meses. Para Suffert, essa queda não é uma tendência e há espaço para recuperação nos próximos trimestres. O executivo afirmou que a empresa vai priorizar a manutenção de níveis de rentabilidade, mesmo que isso implique menor crescimento das receitas. “Nosso mandato é zelar pela rentabilidade”, disse ele. Mais resultado As despesas gerais e administrativas da BB seguridade subiram 18% sobre o terceiro trimestre do ano passado, para R$ 17,3 bilhões. Por segmento, a área de seguros de vida, habitação e rural, chamada pela BB Seguridade de SH1, teve lucro líquido de R$ 435,7 milhões no terceiro trimestre, queda anual 4,8%, afetada por deterioração no índice de sinistralidade. Os prêmios emitidos somaram R$ 1,8 bilhão, 13,2% abaixo do apurado um ano antes. No segmento de automóvel e patrimônio (SH2), a BB Seguridade teve lucro líquido de R$ 44,5 milhões nos três meses encerrados em setembro, queda de 55% sobre o resultado do terceiro trimestre de 2015. Em previdência, a BB Seguridade teve lucro líquido de R$ 277,6 milhões no trimestre passado, aumento de 24,8% na comparação anual, apoiado em maiores receitas com taxas de gestão que avançaram diante de expansão de recursos administrados. O volume de contribuições de previdência cresceu 30,2% e a captação líquida totalizou R$ 5,5 bilhões, avanço de 28,2%.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor