Barril de pólvora

Fatos e Comentários / 17:07 - 2 de jun de 1999

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Vítima de várias máfias nos últimos ano, Maceió assiste assustada ao crescimento do número de seqüestros-relâmpago. As vítimas mais visadas são motoristas que circulam com carros novos ou importados na orla da cidade. Os bandidos levam as vítimas a caixas eletrônicos, obrigado-as a sacar todo o dinheiro possível. Entre as vítimas da série de seqüestros, que teve início na última quarta-feira, se encontram a filha de um empresário, o filho de um procurador e uma médica. Aparentemente, os seqüestradores não se guiam pela melhoria dos fundamentos macroeconômicos exaltada pela imprensa "chapa branca". Reforma fiscal Na próxima segunda-feira, representantes do setor financeiro no Rio apresentam a deputados integrantes da Comissão de Assuntos Tributários propostas para o projeto de reforma fiscal. Promovido pelo Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças (Ibef-RJ), a partir das 8h, o debate contará com a presença dos deputados federais Antonio Kandir, Eduardo Paes, Germano Rigoto, Luiz Alfredo Salomão, Márcio Fortes, Milton Temer e Rodrigo Maia. Também participarão executivos e representantes de diversas entidades de classe, como Andima, Associação Comercial do Rio de Janeiro, Associação dos Bancos, Clube dos Diretores Lojistas, Anbid e Fenaseg. Pés pelas mãos A argumentação do presidente FH que o grampo de suas conversas com seus operadores no leilão das teles seria fruto de "espionagem industrial" mais compromete do que ajuda. Afinal, por que uma das partes envolvidas grampearia aqueles que deveriam ser os árbitros da disputa e, em tese, neutros? Ou será que por isso mesmo... Colheita Os comentários generalizados no mercado levam à conclusão de que a atual "safra cítrica" vai bater recorde. O "laranjal", ao que parece, vai superar em muito ao da época dos precatórios. Pressão Analistas internacionais não ficaram surpresos com os conflitos entre Índia e Paquistão. A Índia, que procura um caminho independente na sua inserção mundial, vem sofrendo pressões para abandonar esse rumo. Pressão II Quem está preocupado com a integridade do território nacional deve ficar especialmente atento para as questões da Amazônia. O assunto vem sendo discutido cada vez mais nos meios militares, já que aumentam as pressões sobre o Brasil para um controle "independente" da Região Amazônica. Não por acaso, o Greenpeace anunciou que vai destacar um grupo especialmente para "denunciar" queimadas e roubos de produtos naturais na área. Em baixa A Anatel está realizando concorrência para fazer pesquisa de opinião entre os usuários de telefonia no Brasil. Quer saber como anda o grau de (in)satisfação após a privatização. Economizaria dinheiro do contribuinte se ficasse mais empenhada em fiscalizar e cobrar o atendimento das metas às empresas de telefonia. Com os maus serviços que vêm sendo prestados e o "tarifaço" que vem por aí, ninguém duvida que as empresas do setor gozam de tanta popularidade quanto o presidente FH... Linha cruzada A ATL Celular está selecionando estagiários de várias áreas para trabalharem na empresa. Essa é a notícia boa. A parte estranha é que vários candidatos que, por motivos diversos não compareceram à primeira fase da seleção, estão sendo chamados pela empresa para participarem da segunda fase, semana que vem. Deve ser a democratização do mercado de trabalho trazida pela privatização. Apoio A Associação dos Joalheiros do Estado do Rio vai patrocinar curso de montagem de jóias e bijuterias artesanais para jovens que participam do Programa Produzir, da Secretaria estadual de Desenvolvimento Econômico e Turismo. O presidente da entidade, João Baptista Magalhães, em comunicação enviada ao secretário Alfredo Laufer, se comprometeu a designar os professores, bem como doar todo o material necessário para a formação de até 10 jovens, número máximo para cada turma. Os interessados em participar do curso poderão procurar informações no espaço cultural Ser Atelier, localizado no subsolo da antiga agência central do Banerj, à Rua da Ajuda, 5, em frente à estação Carioca do metrô. Sem novidade Circulando quarta-feira pela Rua Primeiro de Março, o ex-presidente da Petrobras Joel Rennó foi abordado por um jornalista que queria saber sua opinião sobre as últimas mudanças na empresa que dirigiu. Rennó elogiou a criação da Organização Nacional da Indústria do Petróleo (Onip), mas fez questão de lembrar que o órgão é mera cópia do organismo coordenador do setor na Inglaterra.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor