Banco Mundial pede mais produtividade para aliviar pobreza

Segundo o relatório, entre os países em desenvolvimento, Brasil e China investiram quantias relativamente altas em P&D agrícola.

Internacional / 12:22 - 17 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Os países em desenvolvimento precisam aumentar drasticamente a inovação agrícola e aumentar a produtividade agrícola para eliminar a pobreza extrema e lidar com os efeitos adversos das mudanças climáticas, de acordo com um novo relatório divulgado pelo Banco Mundial na segunda-feira.

"Dois terços dos pobres extremos do mundo ganham a subsistência na agricultura e o crescimento da produtividade na agricultura tem o maior impacto do que qualquer setor na redução da pobreza", disse o Banco Mundial em um relatório, intitulado Colhendo Prosperidade: Crescimento da Tecnologia e da Produtividade na Agricultura.

Embora o aumento da produtividade agrícola na China e em outros países do leste da Ásia tenha contribuído para reduções impressionantes na pobreza, foi baixo demais para ter impactos semelhantes na África e no sul da Ásia, onde se encontram os maiores bolsões remanescentes de extrema pobreza, o relatório disse.

"Aumentar a produtividade no setor agrícola pode aumentar e melhorar empregos, permitindo que mais pessoas saiam da fazenda para as cidades em busca de outras oportunidades", disse Ceyla Pazarbasioglu, vice-presidente de Crescimento Equitativo, Finanças e Instituições do Grupo Banco Mundial.

"Isso requer uma reforma abrangente dos sistemas de inovação agrícola doméstica, gastos públicos mais efetivos e o cultivo de cadeias de valor agrícola inclusivas, com um papel cada vez maior para o setor privado", disse Pazarbasioglu.

O relatório examinou os fatores e restrições à produtividade agrícola, observando que o principal fator para aumentar a produtividade agrícola e aumentar a renda é a adoção de tecnologias e práticas inovadoras pelos agricultores.

"Novas tecnologias estão melhorando o acesso e os custos de informações, finanças e seguros em todos os setores, incluindo a agricultura. Isso pode ajudar a aumentar a produtividade de agricultores pouco qualificados, mas apenas com os incentivos e recursos adequados para desenvolver e dimensionar essas tecnologias", comentou.

O relatório também observou que o mundo está enfrentando uma lacuna crescente nos gastos em pesquisa e desenvolvimento (P&D), mesmo quando o financiamento do governo para a agricultura está alcançando novos patamares.

Entre os países em desenvolvimento, Brasil e China investiram quantias relativamente altas em P&D agrícola, enquanto a África e o sul da Ásia tiveram os menores gastos em relação ao PIB agrícola, segundo o relatório.

"A agricultura na África e no sul da Ásia enfrenta um paradoxo da inovação. Embora os retornos econômicos e os efeitos de crescimento da P&D e da difusão do conhecimento sejam documentados como muito altos, os gastos com pesquisa estão diminuindo em áreas críticas do mundo e das universidades locais e os grupos especialistas não estão acompanhando", disse William Maloney, economista-chefe de Crescimento Equitativo, Finanças e Instituições do Grupo Banco Mundial e principal autor do relatório.

"Os formuladores de políticas nos países em desenvolvimento precisam prestar muita atenção em reverter essas tendências e melhorar o ambiente mais amplo, para incentivar também a contribuição do setor privado", afirmou Maloney.

O relatório também alertou que a mudança climática, juntamente com a deterioração da base de recursos naturais, afetará fortemente a agricultura, impactando os pobres e vulneráveis, precisamente na África e no sul da Ásia.

 

Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor