Banco do Brics quer financiar privatização no Brasil

Dos cinco países do bloco, Brasil foi o que menos acumulou financiamentos em três anos.

Internacional / 00:10 - 14 de nov de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O presidente do Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), o banco do Brics (grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), Kundapur Vaman Kamath, disse nesta quarta-feira que as oportunidades de investimentos no Brasil são promissoras. Kamath citou investimentos em projetos relacionados ao Programa de Parcerias de Investimentos e as privatizações, durante a abertura do seminário “O NDB e o Brasil: Parceria Estratégica para o Desenvolvimento Sustentável”, em Brasília.
Segundo Kamath, o banco direcionou sua atuação, inicialmente, em projetos do setor público. Ele disse que agora é preciso ampliar os projetos no setor privado. 
Segundo levantamento do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), a carteira de empréstimos aprovados do NDB entre 2016 e 2018 englobou 30 projetos no valor total de US$ 8,1 bilhões. Nestes três anos, a China teve a maior participação nos projetos aprovados, com 34% do total acumulado, seguida por Índia (32%), Rússia (18%), África do Sul (8%) e Brasil (8%).
Em valores, a China acumulou em três anos US$ 2,8 bilhões em financiamentos, seguida pela Índia (US$ 2,5 bilhões), Rússia (US$ 1,5 bilhão), África do Sul (US$ 680 milhões) e Brasil (US$ 621 milhões). Este ano, o NDB aprovou projeto, no valor de U$ 500 milhões, a maior liberação de recursos feita pelo banco para o Brasil. O dinheiro será destinado ao Fundo Nacional sobre Mudança do Clima, o Fundo Clima.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor