Balança de maio registra superávit de US$ 6,422 bi

Saldo no ano ainda é 6% inferior ao do início de 2018.

Negócios Internacionais / 16:59 - 3 de jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Depois de dois meses de queda, o superávit da balança comercial voltou a subir em maio. No mês passado, o país exportou US$ 6,422 bilhões a mais do que importou, alta de 5,8% em relação ao resultado positivo de US$ 6,073 bilhões de maio de 2018. Este foi o terceiro melhor resultado da série histórica para o mês, só perdendo para maio de 2017 (superávit recorde de US$ 7,661 bilhões) e de 2016 (superávit de US$ 6,43 bilhões). Com o resultado de maio, a balança comercial – diferença entre exportações e importações – acumula superávit de US$ 22,806 bilhões nos cinco primeiros meses de 2019, valor 5,9% inferior ao do mesmo período do ano passado.

No mês passado, as exportações somaram US$ 21,394 bilhões, com alta de 5,6% em relação a maio de 2018 pelo critério da média diária. As vendas de manufaturados cresceram 29,5% na mesma comparação, com destaque para gasolina (R$ 0 para R$ 123 milhões), óleos combustíveis (197,3%), laminados planos de ferro e de aço (168%) e partes de motores e turbinas para aviação (151,8%).

As exportações de semimanufaturados subiram 15,4% em relação ao mesmo mês do ano passado, com destaque para ferro fundido (92,3%), semimanufaturados de ferro ou de aço (73%) e óleo de soja bruto (68,6%). Apesar do início da safra, as vendas de produtos básicos caíram 3,9%, puxadas pelo recuo nas exportações de minério de cobre (-32,3%), soja em grão (-30,3%) e farelo de soja (21%).

As importações somaram US$ 14,972 bilhões, com alta de 7,8% em relação a maio do ano passado pelo critério da média diária. As compras de combustíveis e de lubrificantes aumentaram 27,5%, influenciadas pela valorização do petróleo no mercado internacional durante boa parte do mês.

As importações de bens de capital (máquinas e equipamentos usados na produção) subiram 16,4%. As compras de bens intermediários aumentaram 6,4%. Apenas a importação de bens de consumo caiu, com recuo de 6,5% na mesma comparação, decorrente principalmente da alta do dólar no último mês.

Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2018 em US$ 58,959 bilhões, o segundo maior resultado positivo da história, o mercado estima um superávit menor em 2019, motivado principalmente pela recuperação da economia, que reativa o consumo e as importações.

Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem superávit de US$ 50,5 bilhões para este ano. O Ministério da Economia projeta superávit de US$ 50,1 bilhões para o saldo da balança comercial em 2019.

 

Nomeação da Diretoria Executiva da Apex-Brasil

O Conselho Deliberativo da Apex-Brasil (CDA) referendou a nomeação aos cargos do Diretor de Negócios, Augusto Pestana, e do Diretor de Gestão Corporativa, Edervaldo Teixeira de Abreu Filho. Os dois integram a Diretoria Executiva da Agência, ao lado do presidente Sergio Segovia. Os nove integrantes do CDA estiveram presentes ao encontro, que foi liderado pelo ministro de Relações Exteriores, Ernesto Araújo, presidente do Conselho. O ministro Araújo apresentou o currículo dos dois diretores e destacou a sua qualificação. “Fica claro que a Diretoria Executiva da Apex-Brasil é composta por profissionais do mais alto gabarito e que demonstram patriotismo e comprometimento com nosso trabalho conjunto”, afirmou.

A Apex-Brasil passa por um momento de renovada perspectiva de avanço em suas atividades. Neste sentido, a Agência pretende guardar com este Conselho a mais próxima relação, de estrita transparência e parceria, visando ao cumprimento das atividades finalísticas e à efetiva contribuição para o crescimento econômico do País”, afirmou Segovia.

 

Arroz brasileiro na Rice Market & Technology

Pelo sexto ano consecutivo, o projeto Brazilian Rice marcará presença na Rice Market & Technology Convention, principal convenção da indústria do arroz nas Américas. A edição de 2019 do evento ocorrerá de 5 a 7 de junho, em Nova Orleans, no estado da Luisiana (EUA). Neste ano, o projeto contará com espaço exclusivo para exposição do potencial do Brasil na produção industrial e no fornecimento de arroz aos mais exigentes mercados mundiais.

A convenção servirá ainda para o país reafirmar a sua imagem como grande produtor e beneficiador de arroz de qualidade e estabelecer novos contatos. A participação do Brazilian Rice no evento é uma das ações da estratégia de ampliar a participação do cereal brasileiro no mercado internacional. O projeto é desenvolvido pela Associação Brasileira da Indústria do Arroz (Abiarroz) em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil).

A Market & Technology Convention reúne o maior grupo de profissionais da indústria do arroz para trabalhar em rede e colaborar sobre os assuntos mais importantes da cadeia orizícola global. A convenção terá uma série de palestras e debates sobre temas ligados ao setor, com informações sobre o mercado, as inovações tecnológicas, a indústria e o plantio.

 

Faturamento de bens de capital cresce 4,3%

Em abril, o faturamento da indústria de máquinas e equipamentos teve aumento de 4,3% em comparação ao mesmo mês do ano anterior, somando R$ 6,8 bilhões. O dado foi divulgado semana passada pela Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq). Segundo a Abimaq, o bom desenvolvimento em abril se deve principalmente às exportações. No acumulado entre janeiro e abril, o setor faturou R$ 25,4 bilhões, crescimento de 5,8% na comparação com os quatro primeiros meses do ano passado.

Já a balança comercial do setor teve um saldo negativo de US$ 182,2 milhões em abril, o que representou recuo de 57,3% em comparação ao mesmo mês do ano passado, mas as exportações cresceram, atingindo US$ 1,04 bilhão em abril, incremento de 21,6% em relação a abril do ano passado.

 

ABPA fortalece alianças durante a FMA China

Com o objetivo de fortalecer laços com as autoridades chinesas, a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), em parceria com a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) participou ao longo da última semana da China International Food, Meat and Aquatic Products Exhibition (FMA 2019), realizada entre os dias 29 e 31, em Xangai (China).

Representada pela coordenadora de acesso a mercados da associação, Bruna Kassama, e com a participação das empresas BRF e Seara, a ABPA contou com um espaço institucional exclusivo no evento, e participou de encontros com stakeholders e membros de órgãos do governo chinês. Ao mesmo tempo, a entidade distribuiu materiais promocionais em mandarim para o público altamente qualificado do evento, com informações sobre as empresas e os diferenciais produtivos do Brasil, como a qualidade dos produtos, o status sanitário e o perfil sustentável do setor.

Diferente de outros eventos estritamente comerciais, as ações da ABPA na FMA China se voltaram para o estreitamento de relações com personagens importantes para o setor produtivo do Brasil na China. Nosso objetivo foi claro: demonstramos que o Brasil é um porto seguro no auxílio à segurança alimentar chinesa”, ressalta Francisco Turra, presidente da ABPA

Contato com o colunista: pietrobelliantonio0@gmail.com

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor