Avião elétrico da Embraer será testado em 2020

Para analistas, parte que sobrou da venda à Boeing continuará em condições de inovar.

Acredite se Puder / 17:27 - 30 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A WEG busca novos mercados, e a Embraer mostra que, apesar da venda de sua divisão de aviação comercial, manterá engenheiros com experiência suficiente para desenvolver novos produtos, destacam os analistas do Bradesco BBI em relatório. Assim, as duas das maiores exportadoras de produtos de alta tecnologia do Brasil, anunciaram acordo de cooperação científica e tecnológica para desenvolvimento conjunto de novas tecnologias e soluções para viabilizar propulsão elétrica em aeronaves. A parceria, no âmbito de pesquisa e desenvolvimento pré-competitivo, busca acelerar o conhecimento das tecnologias necessárias ao aumento da eficiência energética das aeronaves a partir da utilização e integração de motores elétricos em inovadores sistemas propulsivos. O processo de eletrificação faz parte de um conjunto de esforços realizados pela indústria aeronáutica e que visam atender seus compromissos de sustentabilidade ambiental, a exemplo do que já vem sendo feito com biocombustíveis para redução de emissões de carbono. O primeiro voo do demonstrador movido a energia elétrica está previsto para 2020.

 

Netshoes não sabe se proposta da Centauro é maior

A Netshoes cancelou a assembleia marcada para esta quinta-feira, cujo objetivo era examinar a proposta feita pelo Magazine Luiza. Em comunicado à Secuties and Exchange Commission, anunciou que vai avaliar a nova oferta da Centauro, de US$ 3,50, equivalente a US$ 108,7 milhões, proposta aparentemente superior à última apresentada pela Magazine Luiza, pois o documento destaca que não está claro se a oferta da Centauro é superior, dentro dos termos e condições para a aquisição.

 

PIB norte-americano cresceu 3,1% no trimestre

No primeiro trimestre deste ano, o PIB dos Estados Unidos cresceu 3,1% na taxa anualizada, conforme dados divulgados pelo Departamento do Comércio. Em relação ao trimestre imediatamente anterior a expansão foi de 2,2%. O aumento foi acima das expectativas dos economistas consultados pela Bloomberg, que projetavam um acréscimo de 3% no período.

 

Atvos deve R$ 3,8 bi ao Banco do Brasil

Para os analistas do Itaú BBA, o pedido de recuperação judicial da Atvos, empresa de açúcar e álcool da Odebrecht é é ligeiramente negativa para os bancos credores, especialmente para o Banco do Brasil é credor de R$ 3,8 bilhões de um passivo de R$ 12 bilhões. Acreditam que a instituição já provisionou cerca de 40% desses empréstimos. Os analistas do Itaú não param por aí, pois consideram que essa foi a primeira empresa do grupo a pedir a recuperação judicial, mas existe a possibilidade de que outras empresas do conglomerado terão de recorrer ao mesmo mecanismo. E não descartam que alguns dos empréstimos tenham garantias de ações da Braskem.

 

Cemig anuncia lucros até 2023

A Cemig está prevendo que o lucro deste ano ficará entre R$ 4,53 bilhões a R$ 4,91 bilhões. Para 2020, projeta de R$ 4,83 bilhões a R$ 5,24 bilhões; de R$ 5,51 bilhões; de R$ 5,12 bilhões a R$ 5,51 bilhões em 2021; de R$ 5,503 bilhões a R$ 5,982 bilhões em 2022 e de R$ 5,79 bilhões a R$ 6,19 bilhões em 2023.

 

Eletrobras rompe acordo

A Eletrobras decidiu não aumentar em até 30% a participação no capital social das privatizadas Eletroacre e Boa Vista Energia. Assim, a estatal rompeu acordo com a Energisa, que adquiriu a Eletroacre, e com o Consórcio Oliveira Energia e Atem, que ficou com a Boa Vista Energia.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor