Advertisement

Aumento da demanda de passageiros continua forte em maio

Internacional / 10 Julho 2018

O tráfego de passageiros nas companhias aéreas (medido em quilômetros por passageiro e receita, ou RPKs) subiu 6,1% em maio na comparação com o mesmo mês em 2017, frente ao crescimento de 6% em abril. A capacidade subiu 5,9%, e a taxa de carga aumentou 0,1 ponto percentual, atingindo 80,1%. Os dados são da Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata).

Maio foi mais um mês sólido em termos de crescimento da demanda. Como já esperávamos, tivemos uma certa moderação, já que os custos crescentes das companhias aéreas estão reduzindo o incentivo para tarifas aéreas mais baixas. Em particular, os preços dos combustíveis da aviação devem aumentar quase 26% este ano em relação a 2017. Porém, o fator de carga recorde deste mês mostra que a demanda por conectividade aérea é forte”, disse Alexandre de Juniac, diretor-geral e CEO da Iata.

A demanda do tráfego internacional de passageiros subiu 5,8%, um aumento na comparação com a taxa de 4,6% obtida em abril. Todas as regiões registraram crescimento; a maior taxa foi das companhias aéreas da região Ásia-Pacífico (8%). A capacidade total subiu 5,4%, e o fator de carga subiu 0,3 ponto percentual, atingindo 78,7%.

A demanda na Europa subiu 6,2%; no Oriente Médio, houve desaceleração de 0,8% em relação ao ano anterior; na América do Norte, alta de 4,9%; na América Latina, a demanda cresceu 7,5%; finalmente, na África, o aumento de tráfego foi de 3,8%.

Mercados domésticos

A demanda por viagens domésticas subiu 6,6% em maio na comparação com maio de 2017, liderada pelo crescimento na China e na Índia. Esse resultado ficou abaixo do crescimento de 8,6% em relação ao ano anterior registrado em abril, em grande parte devido ao crescimento moderado nos dois países, apesar do aumento de dois dígitos no tráfego dos dois países.

O tráfego doméstico dos Estados Unidos apresentou uma leve recuperação em maio, com crescimento de 5,5% no tráfego na comparação com o ano passado, acima dos 5,3% registrados em abril. Isso compensou parcialmente o crescimento moderado da China e da Índia. O tráfego doméstico apresenta tendência de alta, a uma taxa anual de cerca de 7%, com base na economia norte-americana relativamente forte.

No mês passado, a Iata divulgou seu relatório econômico do primeiro semestre de 2018, mostrando as expectativas de lucro líquido de US$ 33,8 bilhões do setor. Este é um desempenho sólido. Mas a nossa reserva para compensar impactos é de apenas US$ 7,76. Esse é o lucro médio por passageiro das companhias aéreas neste ano – uma margem líquida estreita de 4,1%”, revela Alexandre de Juniac.