Advertisement

Assange é preso em Londres

Presidente equatoriano Lenin Moreno anunciou nesta quinta o que chamou de 'decisão soberana'.

Internacional / 11 Abril 2019 - 11:44

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O fundador do Wikileaks, Julian Assange, de 47 anos, foi preso hoje em Londres, depois de a polícia ter permitido sua entrada na embaixada equatoriana, onde ele se refugiava há quase sete anos.

O Serviço da Polícia Metropolitana confirmou a prisão. Autoridades afirmaram que foram convidadas pelo próprio embaixador a entrar na embaixada após a retirada do asilo político concedido pelo país sul-americano ao jornalista.

A Presidência do Equador confirmou a remoção do asilo, citando violações de convenções internacionais. O presidente Lenín Moreno anunciou o que chamou de "decisão soberana", em comunicado divulgado nesta quinta-feira.

O fundador do Wikileaks, que estava abrigado na embaixada equatoriana desde 2012 para evitar extradição, esteve por trás de um dos maiores vazamentos de documentos secretos da história dos EUA.

Em vídeo divulgado nesta manhã, Moreno informa que negociou com autoridades da Grã-Bretanha as condições para entregar Assange à Justiça.

"Respeitando aos direitos humanos e ao direito internacional, solicitei à Grã-Bretanha a garantia de que Assange não seria entregue a um país onde possa sofrer torturas ou pena de morte. O governo da Grã-Bretanha confirmou por escrito, em cumprimento a suas próprias normas" disse Moreno.

O presidente afirmou que membros do Wikileaks fizeram ameaças ao governo equatoriano. Ao longo dos últimos anos, o site divulgou documentos sigilosos vazados por integrantes de vários governos e empresas multinacionais.

"Há dois dias, o Wikileaks ameaçou ao governo do Equador. Meu governo não tem nada que temer. Não atua sob ameaça. O Equador se guia pelos princípios do direito, cumpre as normas internacionais e cuida dos interesses do povo equatoriano", assegurou Moreno.

O presidente equatoriano também acusou Assange de infringir as condições estabelecidas para que permanecesse protegido na embaixada em Londres.

"Por seis anos e 10 meses, o povo equatoriano garantiu os direitos humanos e cobriu suas necessidades cotidianas em nossa embaixada em Londres", disse Moreno.

Ele justificou sua decisão à "conduta desrespeitosa e agressiva" e às "declarações descorteses e ameaçadoras" que Moreno entende que Assange fez contra o Equador.

"O Equador cumpriu com suas obrigações dentro do marco do direito internacional. O senhor Assange violou reiteradamente as disposições expressas em convenções internacionais sobre asilo diplomático, particularmente a de não intervir em assuntos internos de outros estados", acrescentou o presidente.

De acordo com Moreno, "a paciência equatoriana chegou ao limite" e a manutenção do asilo diplomático concedido a Assange tornou-se "insustentável e inviável".

"Nosso governo respeita os princípios do direito internacional, incluindo a instituição do asilo político, mas concedê-lo ou retirá-lo é uma faculdade da soberania nacional. Assim, o Equador, soberanamente, dá por finalizado o asilo concedido ao senhor Assange em 2012."

Segundo Moreno, Assange instalou equipamentos eletrônicos não permitidos no prédio da embaixada, bloqueou as câmeras de segurança da embaixada, agrediu e maltratou vigilantes da missão diplomática e acessou arquivos de segurança da embaixada, sem permissão.

No Twitter, o ex-presidente equatoriano Rafael Correa criticou a decisão de Moreno, afirmando que é uma "covardia". Para Correa, que concedeu abrigo a Assange, a atitude do presidente equatoriano não será esquecida pela humanidade.

"Um dos atos mais atrozes fruto de servilismo, vileza e vingança. A história será implacável com o culpado de algo tão atroz", disse Correa. Segundo ele, a decisão foi tomada porque o Wikileaks publicou denúncia de corrupção envolvendo Moreno.

 

Com informações da Agência Brasil, citando a Deutsche Welle

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor