Advertisement

Ásia importou 20% de café do Brasil nos primeiros quatro meses do ano

Brasil está de portas abertas para importadores japoneses, diz ministra.

Internacional / 14:52 - 15 de Mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As exportações brasileiras de café para o continente asiático, no período de janeiro a abril de 2019, foram de 2,52 milhões de sacas de café de 60kg, volume que representa crescimento de 29,9% em relação às exportações do mesmo período do ano passado. Com uma participação de 19,3% do total das exportações brasileiras de café no período, o continente asiático gerou uma receita cambial de US$ 342,3 milhões, atingindo a terceira colocação dos continentes com maior volume de importação, precedido do segundo - América do Norte - com 21,6% de participação nas exportações, totalizando 2,83 milhões de sacas de 60kg e US$ 371,9 milhões de receita cambial.

O principal destino das exportações dos cafés do Brasil continua sendo o continente europeu, responsável por 52,9% do volume exportado, com 6,93 milhões de sacas e receita cambial de US$ 884 milhões nos primeiros quatro meses de 2019. Especificamente em relação ao continente asiático, vale destacar que o Japão, principal país importador da região, registrou um crescimento expressivo de 37,04% na compra dos cafés do Brasil, se comparado com o mesmo quadrimestre do ano anterior. Os dados que permitiram realizar esta análise constam do relatório mensal de abril 2019, do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil (Cecafé).

No último dia 10, em seu segundo dia visita ao Japão, a ministra Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, tomou um cafezinho com importadores japoneses de cafés especiais brasileiros. A ministra e delegação participaram da promoção de cafés especiais nacionais na UCC Coffee Academy, reconhecida escola de barismo de Tóquio pertencente à Ueshima Coffee Company (UCC), maior torrefadora do Japão.

Os mais de 100 convidados tiveram a oportunidade de degustar várias amostras de cafés com aromas diferenciados, como do cerrado mineiro. A ideia é aumentar o consumo do produto pelo Japão e demais países da Ásia, continente considerado a nova fronteira para o mercado do café. O evento foi uma parceria da Secretaria de Comércio e Relações Internacionais do ministério e a Associação Brasileira de Cafés Especiais (BSCA).

O Japão é o quarto maior comprador do café brasileiro, ficando atrás de EUA (1º), Alemanha (2º) e Itália (3º). De janeiro a dezembro de 2018, os japoneses importaram 2.484.027 de sacas; o mais comprado é o arábica. De janeiro a 31 de março deste ano, foram importadas 759.910 sacas.

Tereza Cristina lembrou que o café é um dos mais antigos produtos exportados pelo Brasil e destacou que os japoneses estão ajudando a transformá-lo de uma commodity para um produto gourmet.

"O Ministério da Agricultura do Brasil não só apoia e também tem as portas abertas para facilitar todos aqueles que importam e fazem do nosso café esse produto espetacular", disse. Antes do evento de promoção, ela teve um encontro com o CEO da UCC, Fumihiko Asada.

Já o embaixador do Brasil no país, Eduardo Saboia, ressaltou a influência dos imigrantes japoneses nos cafezais brasileiros. E classificou o café como o "produto brasileiro de exportação mais japonês".

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor