Áreas rurais têm 4G duas vezes pior em relação a grandes cidades

Usuários em áreas urbanas contam com acesso ao 4G em 75% do tempo, contra 41% daqueles que estão em municípios rurais.

Informática / 12:17 - 28 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Ir para o interior e tentar se conectar à internet com qualidade é um desafio para os brasileiros, principalmente para quem está acostumado a usar o 4G na maior parte do tempo nas grandes cidades. Essa é uma das conclusões do novo relatório da Opensignal, empresa global e independente de análise móvel, sobre as diferenças entre a experiência de rede de áreas rurais e urbanas do Brasil. A pesquisa foi realizada entre 1º de abril e 30 de junho com dados de 1.080.679 celulares.

A análise foi feita com base nos critérios de topografia e densidade populacional do IBGE que dividem os municípios brasileiros entre urbanos, intermediários e rurais. Os números mostram que a liberação do espectro de conexão em 700 MHz após o desligamento da TV analógica vem trazendo efeitos positivos para a experiência móvel dos brasileiros.

Os usuários do 4G em cidades consideradas urbanas contam, em média, com 75% de disponibilidade de sinal, contra 41% em regiões rurais. Isso significa que a proporção de tempo que os brasileiros em áreas urbanas têm sinal de 4G disponível é 1,8 vezes maior em relação àqueles que estão no interior.

A Opensignal também fez uma análise mais completa da experiência móvel dos brasileiros. Nesse critério, foram avaliadas as disponibilidades de 4G e 3G de maneira combinada. As áreas urbanas apresentaram 90% de tempo de cobertura contra 74% das áreas rurais. Em municípios intermediários, a disponibilidade é de 79%.

Apesar da disparidade entre regiões, o Brasil segue evoluindo em termos de conexões móveis. Dentre as principais operadoras, a TIM se destacou com cobertura 4G de 84% nos municípios urbanos e 53% nos rurais. A Oi tem as piores métricas em ambas as análises: 64% nas regiões urbanas e apenas 14% nas rurais. O mau desempenho é explicado pelo fato de a operadora ainda não contar com a faixa de conexão de 700 MHz. (Gráfico 2)

Na análise de 3G/4G por operadora, Claro, Vivo e TIM mostraram bom desempenho nas áreas urbanas, com média de 92% de disponibilidade. Nas regiões rurais, a Vivo se destaca com 80%, contra 76% da Claro, 75% da TIM e apenas 38% da Oi. (Gráfico 3)

 

China - O Ministério da Indústria e Informatização anunciou que o número de usuários da rede 4G cresceu para 1,24 bilhão até o fim de julho na China.
O volume responde por 78,2% do total de usuários de celulares, crescendo 3,8 pontos percentuais ante o fim do ano passado.
A receita da indústria de telecomunicações da China caiu 0,3% em termos anuais, para 889,5 bilhões de iuanes (US$ 125,6 bilhões) entre janeiro e julho, mostraram os dados do ministério.
Por partes, as receitas de telecomunicações de linha fixa das três principais operadoras do país (China Telecom, China Mobile e China Unicom) totalizaram 245,8 bilhões de iuanes, 9,5% a mais na comparação anual, respondendo por 31,6% da receita de telecomunicações chinesa. Porém, as receitas de telecomunicações móveis das três operadoras caíram 4,1% em termos anuais, para 532,9 bilhões de iuanes durante o mesmo período.
O crescimento na receita foi principalmente impulsionado por novos negócios como centros de dados de internet, big data, computação em nuvem e inteligência artificial, segundo o ministério.

 

Com informações da Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor