Advertisement

Angolanos lesaram os portugueses em € 3 bilhões

Foi montada até uma operação policial para impedir ida a assembleia

Acredite se puder / 07 Fevereiro 2019 - 17:41

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Os generais José Eduardo dos Santos, Manuel Hélder Vieira Dias (Kopelipa) e Leolpoldino Fragoso do Nascimento (Dino); José de Lima Massano, então presidente do banco central angolano; e portugueses do Grupo Espírito Santo armaram, através do BES Angola (Besa) um golpe de € 3 bilhões contra o BES e o Novo Banco. Álvaro Sobrinho, ex-presidente do Besa, acusa principalmente os generais de terem elaborado o plano para na assembleia geral (AG) de 29 de outubro de 2014 diluir as posições dos acionistas. Porém, como o banco português detinha 55% da unidade angolana, montaram uma operação policial na porta do hotel em que estava a advogada representando o BES e fizeram com que levasse uma hora para percorrer um trajeto de no máximo cinco minutos.

Quando chegou ao local da reunião, foi impedida de entrar. Quando deixaram, as decisões tinham sido tomadas, causando a perda dos € 3 bilhões e deixando os minoritários angolanos como controladores do banco. E o Novo Banco, que substituiu o BES, ficou com apenas 5%. O pior é que o Banco de Portugal não tomou nenhuma providência.

 

Hospital atesta, mas não comprova morte

O Fortis Escorts, hospital particular de Jaipur, na Índia, confirmou mas não apresentou comprovação da morte de Gerald Cotten, fundador da QuadrigaCX. Apenas forneceu um documento para a viúva. Cotten era o único responsável pelas senhas das carteiras de criptomoedas da exchange. A JA Snow Funeral Home também apresentou informações e nenhum tipo de prova do empresário sendo enterrado. E, agora, o governo do estado indiano também emitiu um atestado de óbito. Será que as autoridades indianas são confiáveis? Bem, tudo foi encaminhado para a viúva.

 

Inverno das criptomoedas

O momento está sendo denominado do “inverno das criptomoedas”. Enquanto alguns sites esbanjam otimismo para atrair incautos, outros mostras que as iniciantes exchanges que operam no setor em todo o mundo são varridas por uma onda de demissões. O interessante é que as dispensas sempre são ao redor de 50 funcionários, o que revela o raquitismo dessas instituições. Agora, a canadense Coinsquare anuncia que demitiu 40.

 

Analistas recomendam fundos de shopping centers

As melhoras das condições macroeconômicas favorecem os fundos imobiliários brasileiros de forma geral. Os analistas do Bradesco, no entanto, continuam recomendando os fundos imobiliários de shopping centers, pois esperam que apresentem melhor desempenho operacional, podendo surfar uma recuperação gradual do mercado neste ano, devido a redução dos níveis de desconto; a melhoria do varejo que resultará em aluguéis fixos e variáveis mais elevado; e outros fatores. Embora a tributação de dividendos possa impactar os fundos imobiliários no Brasil, em virtude da perspectiva de longo prazo.

 

Depois das valorizações, ações acomodam

O Ibovespa iniciou o movimento de queda e busca o suporte em 94.500 pontos, podendo chegar até a região dos 93.100 ou abaixo. O objetivo se encontra em 91.200, ponto onde a força compradora atuará e manterá a tendência de alta intacta para o curto prazo. Voltando para a alta, se o índice passar da máxima dos 98.500 pontos, buscará os 100 mil pontos.

 

Dólar sobre

Em correção às fortes quedas, o dólar no mercado futuro ultrapassou R$ 3,679 e, na continuidade deste repique, pode subir rumo a R$ 3,821. Porém, se acabar o gás, será mantida a tendência de ficar abaixo de R$ 3,679, com espaço para buscar mínima de outubro de 2018, de R$ 3,601.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor