Advertisement

Analistas estão pessimistas em relação às ações da Apple

A prudência tem sido motivada pelo clima de incerteza em torno da procura por iPhones.

Acredite se Puder / 19:48 - 08 de Jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Cinco recomendações de venda das ações da Apple é o número mais elevado recebido pela fabricante de iPhones desde 1997. Isso está sendo considerado um grande pessimismo em relação à empresa, pois significa que é crescente a quantidade de analistas que acham mais seguro se desfazer de tais títulos. Segundo a Bloomberg, já representam mais de 10% das 57 recomendação de casas de investimento. Outro sinal da elevação da prudência é o do indicador para os ratings que está atualmente em 3,76, sendo que os de comprar estão entre 4 e 5, o de manter em 3 e o de vender, de 1 a 2. Trata-se do número mais baixo desde 2004. Em janeiro, o número de instituições de análises recomendando “comprar” caiu cerca de 50%, o que não acontecia há 15 anos.

A prudência tem sido motivada pelo clima de incerteza em torno da procura por iPhones e os analistas consideram que as tensões comerciais entre os EUA e a China são altamente penalizadoras. Em janeiro, a Apple reviu em baixa as suas estimativas para as receitas. Foi a primeira vez que o fez, em quase duas décadas. Na primeira sessão desta semana, a Apple desvalorizou mais 2,29% se situando em US$ 199,56. Neste ano, no entanto, tais títulos ainda acumulado do ano ainda apresenta um saldo positivo, a subir 26,52%. O seu valor de mercao é US$ 918,28 bilhões. Mas em agosto do ano passado, tornou-se a primeira empresa norte-americana com uma avaliação de 13 dígitos – uma “trillion-dollar baby”.

 

O que tem de ver com as calças?

As ações da Tecnisa fecharam o primeiro pregão da semana com alta de 29,93%, a R$ 1,78, devido ao anúncio da oferta de ações. Os papéis chegaram a avançar 40,15% na máxima do dia, a R$ 1,92. O volume negociado atingiu mais que o dobro da média do negociado nos últimos 21 pregões apenas na primeira hora de negociação (R$ 7,74 milhões ante média de R$ 3,36 milhões) e superou os R$ 56 milhões no final do pregão.

Através de fato relevante, a Tecnicsa comunicou ao mercado a oferta subsequente (follow-on) de 300 mil ações, que pode render captação de R$ 411 milhões, considerando a cotação de fechamento do papel da última sexta-feira. A operação pode ser maior, caso haja demanda pelos papéis complementares. Podem ser ofertadas mais 105 mil ações, o equivalente a 35% da oferta.

Alguns analistas tem a opinião de que, apesar da diluição para os atuais acionistas, ela ajuda e fortalecer o caixa da empresa, que pode encontrar um cenário mais favorável com a expectativa de recuperação da economia a partir do final do ano. Na operação, a empresa planeja fazer esforço de venda dos papéis no exterior e contratou os bancos BTG Pactual, Santander Investment Securities e Itaú BBA USA. O pitoresco é que oferta foi aprovada em assembleia realizada no domingo.

 

Maluquice começa a imperar no mercado

Ações do Banco Inter tiveram alta de 27,9% na semana e, no ano, o papel valorizou cerca de 103% e mais do que dobrou seu valor de mercado. Segundo analistas, ganhos estão relacionados com a migração para o Nível 2 e reorganização da estrutura societária.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor