Analistas acham que ações da Magalu vão continuar valorizando

Cotação de tais títulos pode terminar o mês de outubro com ganhos de 19%.

Acredite se Puder / 22:11 - 30 de out de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As ações do Magazine Luiza subiram mais de 7% na sessão desta quarta-feira. Apesar da expectativa de resultados fortes no terceiro trimestre, a varejista conseguiu superá-la. Assim, a cotação de tais títulos pode terminar o mês de outubro com ganhos de 19%. A companhia apresentou lucro de R$ 136,3 milhões, superando a melhor das projeções pesquisadas pela Bloomberg, que era de R$ 127 milhões. O resultado representa alta de 12,7% sobre o mesmo período de 2018.

Para os analistas do Bradesco BBI, o resultado do volume bruto de mercadorias (GMV) on-line do terceiro trimestre, 4% acima das expectativas da instituição, com a Netshoes contribuindo fortemente para os números. E ressaltam a alta de 54% nesse indicador e também a expansão de 44% de clientes ativos e dos usuários ativos mensais do aplicativo Magalu, mais do que dobrando para 14 milhões.

Os especialistas do Credit Suisse consideram que o crescimento está vindo e tudo indica que esse movimento deve continuar bastante forte no futuro próximo e o quarto trimestre marcará o primeiro período em que as vendas online devem passar o GMV das lojas físicas.

Neste ano, as ações da Megalu já valorizaram 95%, enquanto a alta do Ibovespa foi de apenas 24%. Os técnicos do Credit Suisse e a da XP Investimentos mantiveram a recomendação neutra para esses ativos: Os do Bradesco acham que os investimentos no curto prazo provavelmente pagarão dividendos no futuro, reforçando a recomendação outperform, e elevaram o preço-alvo para 2020 de R$ 43,00 para R$ 45,00.

 

Receita Federal atuou a Renova em R$ 89,2 milhões

A Renova Energia foi autuada pela Receita Federal com base na Operação Descarte, questionando apuração de cálculo de impostos “supostamente devidos”. A companhia diz que tomou conhecimento do auto de infração e que vai analisar. A autuação é por não comprovação de despesas, falta de recolhimento do IRPJ sobre a base de cálculo estimada e a não comprovação de custos e despesas operacionais, nos valores de R$ 8.036.715,86 a em IRPJ, R$ 2.893.217,69 em CSLL e R$ 78.387.828,86 em IRRF, incluindo multas e juros.

 

Vale se deslista da Euronext Paris

A Vale comunicou a decisão de encerrar o programa de listagem dos ADSs na Euronext Paris, iniciativa já aprovada pelo conselho da bolsa. Será implementado um procedimento de venda ordenada, através do qual os detentores atuais de ADSs poderão vendê-los antes da deslistagem e sem incorrerem em taxas adicionais. O procedimento de venda ordenada será implementado do dia 4 de novembro até o dia 15 de novembro. Segundo a Vale, a expectativa é de que o processo sejo concluído em torno do próximo dia 29 de novembro.

 

Fintechs não afetam Santander

Para os analistas do Morgan Stanley, os segmentos de pessoas físicas e de consumidores do Santander Brasil continuam a superar o crescimento total dos empréstimos, cujos spreads ficaram basicamente fixos não mostrando evidências de que as fintechs estejam pressionando esse indicador ou taxas, algo que os investidores vêm monitorando de perto.

No terceiro trimestre o Santander teve lucro de R$ 3,71 bilhões, superando em 1,9% o do segundo trimestre deste ano. Em nove meses, o lucro soma R$ 10,82 bilhões, crescimento de 20,4%.

 

Corte da Selic beneficia pouco a siderurgia

Na mineração e siderurgia, as empresas possuem alta dívida atrelada à Selic, mas tem pouco impacto no corte de juros. A mais beneficiada seria a CSN, que pode ter preço-alvo elevado em 1,7%. Os da Usiminas e Gerdau aumentariam 0,7% e 0,4% respectivamente.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor