AmCham Shanghai: 75% das empresas americanas se opõem a tarifas

Mais de 59% disseram que aumento do consumo será o principal fator para beneficiar a indústria deles nos próximos três a cinco anos.

Internacional / 12:17 - 13 de set de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Quase 75% das empresas norte-americanas entrevistadas manifestaram oposição às tarifas, mostrou uma pesquisa da Câmara Americana de Comércio em Xangai (AmCham Shanghai). As informações são da Agência Xinhua, estatal chinesa de notícias.

A pesquisa divulgada na quarta-feira ouviu 333 companhias norte-americanas de 27 de junho a 25 de julho.

Ante 68,8% na pesquisa de 2018, neste ano 74,7% das empresas mostraram oposição ao uso de tarifas para atingir as metas de comércio e de acesso ao mercado da administração dos EUA.

Os entrevistados relataram um melhor ambiente regulatório na China.

Além disso, o ambiente operacional da China para empresas estrangeiras mostrou sinais significativos de progresso, de acordo com a pesquisa.

Mais de 59% dos entrevistados disseram que o aumento do consumo será o principal fator para beneficiar a indústria deles nos próximos três a cinco anos, um ligeiro aumento em relação ao ano passado e ao anterior.

Dos que aumentaram o investimento na China neste ano, 40% disseram que isso se deve ao potencial de crescimento do mercado chinês.

Há sinais de que EUA e China poderão amenizar suas posições em relação a uma disputa comercial. O presidente americano, Donald Trump, disse ontem que consideraria um acordo comercial preliminar com a China. Acrescentou que preferiria chegar a um acordo abrangente, mas vai considerar um de caráter provisório.

Como outro sinal de que a tensão está diminuindo, a China sugeriu anteriormente que estaria se preparando para reiniciar as importações de produtos agrícolas dos EUA.

O Ministério do Comércio disse que as companhias chinesas estão interpelando sobre os preços de soja e de carne suína dos EUA. A divulgação ocorreu logo depois de os Estados Unidos terem anunciado que adiarão a implementação do aumento de tarifa adicional sobre artigos chineses.

 

Coreia do Norte - Em entrevista, Trump declarou que quer se encontrar com o líder norte-coreano, Kim Jong Un, "em um determinado momento" neste ano.

Ele acredita que Kim também deseje o encontro. Contudo, não deu qualquer informação específica sobre o local ou quando outro encontro de cúpula poderá acontecer.

As observações de Trump são feitas no momento em que uma funcionária de alto escalão da Coreia do Norte declarou que o governo norte-coreano está pronto para reiniciar as negociações com Washington sobre desnuclearização.

Nesta semana, Trump demitiu o conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, que defendia atitude mais severa em relação à Coreia do Norte, que aquela com enfoque no diálogo.

 

Com informações da Xinhua; e da Agência Brasil, citando a NHK

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor