Aliados de Guaidó desviavam doações para gastos pessoais

Recibos confirmam gastos dos opositores venezuelanos na Colômbia que chegam a mil dólares por noite em refeições e bebidas.

Internacional / 01:01 - 19 de jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O Ministério Público da Venezuela informou nesta terça-feira que abriu uma investigação sobre um suposto esquema de corrupção envolvendo membros do partido Vontade Popular e o deputado de direita Juan Guaidó, autoproclamado presidente do país, que consiste em desvio de dinheiro de ajudas humanitárias para o grupo de opositores.

O Procurador Geral venezuelano, Tarek William Saab, declarou que a medida foi tomada após uma denúncia feita pelo jornal Panam Post. O periódico divulgou no último domingo documentos atribuídos a opositores de Maduro baseados em Cúcuta, cidade colombiana na fronteira com a Venezuela, que indicam um esquema de desvio de dinheiro.

Entre os denunciados estão dois assessores encarregados de administrar os recursos destinados a ajuda humanitária e o pagamento de hotéis de ex-militares desertores da Força Armada Nacional Bolivariana. Trata-se de Kevin Rojas e Rossana Barrera, esta última cunhada do deputado venezuelano Sergio Vergara, braço direito do autoproclamado presidente.

No entanto, a suspeita também recai sobre o “embaixador” de Guaidó na Colômbia, Calderón Berti, e sobre os deputados venezuelanos radicados na Colômbia, Gabriela Arellano, do partido de Guaidó, Vontade Popular, e Juan Manuel Olivares, do partido Primero Justicia.

Recibos confirmam gastos dos opositores venezuelanos na Colômbia que chegam a mil dólares por noite em refeições e bebidas. Além de despesas com roupas em lojas caras em Bogotá e Cúcuta, assim como relatórios de aluguel de veículos e pagamentos de hotel. O jornalista do Panam, Orlando Avendaño, afirma que parte das fontes da reportagem são membros dos órgãos de inteligência da Colômbia.

O site espanhol reporta também que 60% dos alimentos doados a oposição venezuelana e que estavam armazenados na cidade colombiana de Cúcuta, na fronteira com a Venezuela, estão apodrecendo e provavelmente serão queimados.

A origem dos recursos administrados pela oposição venezuelana e o montante não foram informados pelos líderes opositores. No entanto, o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, informou, na segunda-feira, que o governo Trump doou cerca de US$ 213 milhões e o governo do Canadá havia anunciado US$ 40 milhões, em janeiro deste ano.

Além disso, o secretário de Estado dos Estados Unidos informou semana que passada que a Assembleia Nacional da Venezuela, presidida por Guaidó, havia aprovado a emissão de US$ 71 milhões em títulos de dívida para “pagamento de credores”, mas não especificou quem eram os beneficiários desses pagamentos.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor