Advertisement

Alerj vai comprar 30 blindados para a polícia

Deputados usarão recursos não gastos do orçamento da Assembleia.

Decisões Econômicas / 18 Abril 2019 - 15:14

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Com parte dos recursos economizados do seu orçamento, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) vai custear a compra de 30 blindados compactos para a Polícia Militar. O presidente da Alerj, deputado André Ceciliano (PT), informou que serão investidos cerca de R$ 10 milhões na operação, que visa ajudar o estado no combate à criminalidade. Semana passada, a Alerj já tinha doado para a polícia 30 carros da extinta frota oficial da Casa.

 

Prazos para concursos

Os deputados aprovaram o projeto de lei que prevê que nenhum concurso público estadual poderá ser realizado até a nomeação e posse dos aprovados nas provas que ocorreram durante o estado de calamidade pública financeira do Rio, inclusive dos candidatos em cadastro de reserva.

 

Comissões especiais instaladas

Mais duas comissões especiais foram iniciadas na Alerj esta semana. A Comissão Especial dos Esportes Olímpicos e de Altos Rendimentos vai apurar possíveis prejuízos orçamentários e danos ao tesouro público estadual relacionados às atividades esportivas. Já a Comissão Especial para Fiscalizar as Barragens Existentes no Estado vai fazer um levantamento dos riscos apresentados por essas estruturas.

Deputado Carlo Caiado

Troca-troca Câmara do Rio/Alerj

Carlo Caiado (DEM), suplente do deputado estadual André Corrêa (DEM), foi empossado deputado esta semana na Assembleia Legislativa do Rio. Correa está preso desde o final do ano passado pela Operação Lava Jato. Caiado é vereador e pediu licença do cargo na Câmara Municipal do Rio para assumir interinamente o mandato de deputado estadual.

No mesmo momento em que Caiado tomava posse na Alerj, o suplente dele na Câmara Municipal, Matheus Gabriel (DEM), assumia a vaga aberta no Legislativo carioca. Conhecido como Matheus Floriano, é formado em Economia com especialização na área de Finanças Públicas e está assumindo pela primeira vez como vereador.

 

Brecha na legislação

Para assumir a vaga de deputado estadual, Carlo Caiado não renunciou ao mandato de vereador, como determina a legislação, mas apenas pediu licença do cargo. Tem precedente. Na legislatura passada, a vereadora carioca Laura Carneiro fez o mesmo para assumir como suplente na Câmara Federal, em Brasília. A Lei proíbe o acúmulo de cargos eletivos, mas os nobres entendem que basta se licenciar de um para assumir temporariamente um outro. E segue o baile.

 

Daqui eu não saio

O vereador carioca Renato Moura (PDT), que deixou a Secretaria Municipal de Saúde para reforçar a bancada do governo Crivella na Câmara, faz questão de deixar claro que se licenciou em dezembro do ano passado, quando não havia pedidos de impeachment contra o prefeito. “Quem voltou só para garantir voto pro prefeito foi outro vereador”, descarta Renato Moura, que não quer saber de voltar para o executivo municipal.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor