Alerj cobra da Cedae solução mais rápida

Presidente da companhia de saneamento do Rio será convocado para dar explicações.

Decisões Econômicas / 17:32 - 6 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Como já se previa, ao retornar do recesso parlamentar, na última terça-feira, o assunto da semana na Assembleia Legislativa do Rio foi a crise na Cedae. Além de discutir a questão em plenário, foram colhidas assinaturas para a abertura de uma CPI para investigar o que anda acontecendo na Companhia Estadual de Águas e Esgoto, que abastece a cidade do Rio e grande parte da Baixada Fluminense.

A CPI vai entrar na fila para ser instalada, e o presidente, deputado André Ceciliano (PT), já disse que a Casa dispõe de outros instrumentos para cobrar uma solução imediata da crise. “Os trabalhos de investigação de uma CPI têm prazo de 180 dias, que podem ser prorrogados, mas a solução para o abastecimento precisa ser imediata. O que a população precisa neste momento é resolver o problema da água. Estamos preocupados com a saúde dos cidadãos do Estado do Rio de Janeiro”, afirmou Ceciliano.

Hélio Cabral

Presidente da Cedae será convocado

O presidente da Cedae, Hélio Cabral, será convocado para prestar esclarecimentos na Alerj sobre a crise no abastecimento de água da região metropolitana. Os engenheiros que foram demitidos da companhia em 2019 também serão convidados a prestar esclarecimentos aos deputados. O presidente da Alerj, André Ceciliano, lembrou que durante o recesso a Casa enviou requerimentos de informação à Cedae e ao governo, além de um pedido de inspeção ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e uma notificação ao Ministério Público Estadual. “Precisamos resolver o problema de uma vez por todas, que é sério. Fizemos pedidos em meados de janeiro, no recesso, e hoje (terça-feira) reiteramos”, explicou Ceciliano.

 

Movimento pede a volta de Victer

Enquanto isso, cresce no estado um movimento pela volta ao cargo do ex-presidente da Cedae Wagner Victer, que comandou a estatal por quase dez anos. Victer, que hoje ocupa o cargo de diretor-geral da Alerj, sempre privilegiou o corpo técnico da empresa. A demissão de funcionários altamente qualificados da Cedae é apontada como uma das causas da queda da qualidade da água distribuída a população. Difícil mesmo vai ser convencê-lo a reassumir o posto.

Diretor-geral da Alerj, Wagner Victer

Alerj teria água da Cedae para funcionários

Como diretor-geral da Alerj, Wagner Victer também vai ter que rever seus planos. Em agosto do ano passado, ele anunciou que o novo endereço da Alerj, no antigo prédio do Banerjão, na Rua da Ajuda, seriam instalados bebedouros, com água da Cedae em todos os andares, acabando com os gastos com garrafões de água mineral. Argumentou que a água fornecida pela Cedae era de ótima qualidade. “Teremos bebedouros com água da Cedae, que garanto ser melhor do que muita mineral que vendem por aí. Se as crianças da rede estadual bebem dessa água, a Assembleia também pode beber”, disse ele na ocasião. Mas a situação mudou, mudou muito, não é verdade?

 

Nada de corte em fim de semana e feriado

Os deputados Bebeto (Podemos) e Martha Rocha (PDT) querem proibir a interrupção dos serviços de fornecimento de água, energia elétrica e gás, por inadimplência, nas sextas-feiras, nos sábados, nos domingos, nos feriados e no último dia útil imediato, anterior ao feriado. Argumentam que nesses dias os consumidores têm dificuldades para quitar seus débitos e que o pedido de religação demora até 48 horas para ser solucionado, deixando as pessoas sem serviços considerados essenciais.

 

Paes sem definição de vice

Quem eu quero não me quer. Quem me quer, não vou querer”, diz a letra da música da sertaneja Marília Mendonça. E este é o drama vivido por Eduardo Paes (DEM). Ele quer a deputada pedetista Martha Rocha (PDT) como vice na chapa encabeça por ele para disputar a Prefeitura do Rio. Os pedetistas também querem isso. Mas Martha Rocha se recusa a aceitar a missão. Por outro lado, há uma briga nos bastidores com muita gente se oferecendo para ocupar a vaga. Só que nenhum dos postulantes interessa a Eduardo Paes

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor