Advogados da CFO da Huawei pedem que Canadá interrompa extradição

Ministério das Relações Exteriores da China reiterou exigência a Washington de que retire o mandado de detenção e pedido de extradição.

Internacional / 11:07 - 25 de jun de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A equipe de advogados canadenses da diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, apelou ao governo do país para que interrompa o processo de extradição contra ela por seus interesses nacionais.

Em uma declaração conjunta emitida nesta segunda-feira, os advogados David Peck, David Martin, Scott Fenton e Eric Gottardi revelaram que entregaram uma carta "abrangente" ao ministro da Justiça do Canadá, David Lametti, clarificando a base jurídica em que o ministro pode retirar adequadamente os processos de extradição contra Meng.

A executiva foi detida em 1º de dezembro de 2018 no aeroporto internacional de Vancouver a pedido dos EUA, que estão buscando sua extradição sob acusações de fraude.

Meng e Huawei negaram repetidamente qualquer irregularidade.

"Como detalhado em nossas apresentações ao ministro, ele deve exercer sua discrição para retirar os processos de extradição porque estes não têm mérito e sua interrupção é do melhor interesse dos interesses nacionais do Canadá", apontam os advogados.

"Esses processos de extradição são singulares", destaca o comunicado de três páginas. "Os fundamentos factuais e legais para a extradição da Sra. Meng não têm precedente na lei canadense".

"Nenhum pedido de extradição similar foi acolhido pelo Canadá", segundo o texto. "Palpavelmente, este foi motivado por objetivos políticos e vai contra razões legítimas de execução da lei criminal."

Os advogados argumentam que nenhum aspecto do caso viola a lei canadense e que todas as alegações foram feitas em um estado estrangeiro. Eles também alegam que a detenção de Meng em Vancouver foi ilegal.

"Ao longo da nossa história, o governo canadense sempre defendeu valores canadenses, incluindo o estado de direito, mesmo em circunstâncias sob a qual isso significou um rompimento com a política externa dos EUA", lembra o comunicado.

"Encerrar os processos de extradição contra a Sra. Meng imediatamente é inteiramente consistente com os compromissos do Canadá com o estado de direito, nossos tratados internacionais e com a política externa independente do país", acrescenta.

Os quatro renomados advogados assinaram o comunicado enquanto preparam a defesa de Meng para sua audiência de extradição na Suprema Corte de Colúmbia Britânica esperada para começar em janeiro próximo.

Em 8 de maio, após Meng participar de uma audiência de tribunal em Vancouver, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, disse em uma coletiva de imprensa que o país reiterou sua exigência a Washington de que retire seu mandado de detenção e pedido de extradição contra a executiva da Huawei.

Em comunicado divulgado no mesmo dia, a companhia reitera que sempre confia na inocência de Meng e "afirma que sua detenção encomendada pelos EUA foi um abuso ilegal de processo, guiada por considerações e táticas políticas, não pelo estado de direito".

 

Agência Xinhua

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor