Chuvas causam prejuízo ao comércio do Rio e São Paulo

Com chuvas, movimento das vendas do comércio paulistano cai 20%; no Rio prejuízo foi de R$ 40 milhões.

Conjuntura / 12:55 - 13 de fev de 2020

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As chuvas intensas dos últimos dias no Rio de Janeiro que alagou a cidade, inundou lojas, principalmente as de bairros, causou prejuízo ao comércio carioca, que deixou de faturar cerca de R$ 40 milhões, segundo cálculos do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio).

De acordo com Aldo Gonçalves, presidente do CDL-Rio, o cálculo representa 10% do faturamento de um dia normal do varejo carioca (cerca de R$ 405 milhões) e nele estão incluídos as lojas que não puderam abrir, além da falta do pessoal que não conseguiu chegar ao local de trabalho e o movimento reduzido porque o consumidor não teve como saiu de casa.

Ainda segundo o presidente do CDL-Rio neste número não está contabilizado o prejuízo dos lojistas que tiveram suas lojas invadidas pela água da chuva, principalmente as localizadas em bairros, resultando na perda total das mercadorias.

Em São Paulo, a associação comercial (ACSP) avalia que, devido às fortes chuvas que caíram na cidade desde a tarde do último domingo, o movimento de vendas do varejo da capital paulista teve queda de 20% em comparação com a segunda-feira anterior (dia 3) e 18% em relação a igual dia da semana do ano passado (11), de acordo com dados preliminares da Boa Vista Serviços.
"Os números refletem o recuo das vendas, mas os prejuízos foram muito maiores. Não só o varejo ficou prejudicado, mas também o setor de serviços e a indústria, que apresentaram baixa em suas atividades", diz Marcel Solimeo, economista da ACSP.
Para ele, os comerciantes e empresários de todos os setores ainda terão que contabilizar danos físicos nos estabelecimentos e adicionar à conta um dia perdido dentro de fevereiro, que é um mês curto e ainda tem o feriado de Carnaval.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor