Acordo entre Mercosul e UE vai prejudicar vinícolas brasileiras

Além dos vinhos argentinos e chilenos, os gaúchos enfrentarão a produção de portugueses, espanhóis, franceses e italianos.

Conjuntura / 21:31 - 3 de jul de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

O senador Lasier Martins (Podemos-RS) avaliou, nesta terça-feira, em Plenário, o Acordo de Livre Comércio entre o Mercosul e a União Europeia. Para o senador, o acordo dá motivo para euforia dos países do Mercosul mas traz também algumas expectativas sobre o seu real desdobramento nos próximos anos.

Lasier disse acreditar que a notícia do acordo é boa para o Rio Grande do Sul, devido à tradição agrícola do estado.

- Para a nossa pauta de exportações, nós haveremos de ter alguns benefícios, particularmente com a exportação de soja, dos móveis, das carnes - principalmente da carne de frango -, de celulose e do fumo. Nesses particulares, nós haveremos realmente de ter uma demanda muito interessante para o estado.

Entretanto, o senador mostrou preocupação com possíveis prejuízos que o acordo possa trazer aos produtores de vinho gaúchos. Ele destacou que, além da concorrência dos vinhos argentinos e chilenos, os gaúchos enfrentarão a produção de portugueses, espanhóis, franceses e italianos.

O parlamentar lembrou que cada garrafa de vinho produzida no Rio Grande do Sul paga 44% de impostos, o que complica a concorrência com os produtores estrangeiros. O parlamentar destacou, para a Agência Senado, como necessária e urgente uma reforma tributária.

- Com este acordo, se tornará imprescindível a votação e a aprovação muito especialmente da reforma tributária, porque os nossos produtos pagam demasiadamente alto, e isso poderá nos prejudicar nessas transações com a União Europeia - ponderou.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor