Ações brasileiras são os melhores ativos para investimento

As maiores beneficiadas com a Selic menor são as do setor de consumo, como varejo, construtoras e aluguéis de carros.

Acredite se Puder / 17:54 - 1 de ago de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

As ações brasileiras são o melhor ativo para se investir no Brasil, segundo Karel Lukertic, estrategista-chefe da XP Investimentos. De acordo com o especialista, a Selic deve cair para 5% ao ano, e os juros baixos vão durar mais do que se imagina. Isso é ótimo para a renda variável, pois, como o analista destaca em seu relatório, os efeitos de juros mais baixos são diversos. Além do óbvio estímulo à economia, a Selic na mínima histórica também traz despesas financeiras menores para as empresas e levam o investidor a transferir seu dinheiro da renda fixa para ações com o objetivo de ter maiores rendimentos. E ressalta que uma redução de um ponto percentual nas taxas provoca uma alta de 12,5% em nossos preços-alvo.

Entre as empresas, o estrategista avalia que as maiores beneficiárias da Selic menor são as do setor de consumo, como varejo, construtoras e aluguéis de carros. Companhias ligadas a infraestrutura, como elétricas, e aquelas ligadas a concessões de logística também devem se destacar, já que o retorno dos novos projetos aumenta com o pagamento de juros menores para se financiar.

Para Lukertic, excluindo-se os juros, o cenário é favorável para as ações por acreditar que a reforma da Previdência tem superado as expectativas. O mercado esperava que o governo tivesse uma economia de R$ 700 bilhões em dez anos com as novas regras para aposentadoria, mas ao que tudo indica, esse valor ficará mais perto dos R$ 900 bilhões no texto aprovado pela Câmara. Se for comprovada essa economia após o fim da tramitação do projeto no Legislativo, haverá fluxo comprador para as ações brasileiras.

O economista da XP acha que o governo poderá focar em outras medidas para destravar a economia. O anúncio da liberação dos saques do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço é uma pequena amostra do que o Executivo pode fazer. E concluiu afirmando que “a reforma Tributária é o grande ponto de destaque, com discussões ainda amadurecendo, mas destaque para: possível unificação de cinco tributos sob o Imposto de Valor Agregado e introdução de um imposto sobre transações financeiras nos moldes da antiga CPMF, tópico que deve sofrer oposição. O foco de preocupação neste cenário ficaria com o ambiente externo.”

 

Trump indiretamente tributa iPhone

Com as novas tarifas, todos os produtos chineses passam a ter taxa adicional nos Estados Unidos. A taxação agora chega a ser de US$ 550 bilhões. As novas tarifas vão incidir sobre importantes produtos que até agora tinham escapado a um agravamento de taxas. É o caso de muitos brinquedos e do iPhone, o que levou a uma queda de 2,16% das ações da Apple, para US$ 208,43.

 

Novos problemas para o Facebook

A cotação das ações do Facebook recuaram 0,77%, depois do anúncio de que a Comissão Federal do Comércio dos EUA, na investigação que realiza sobre as atividades das principais tecnológicas do país, vai examinar profundamente as aquisições feitas pelo Facebook.

 

Secretaria de Defesa afeta Amazon

Mark Esper, novo secretário norte-americano da Defesa, ordenou que o Pentágono avalie o contrato de computação na nuvem que tem com a Amazon. Isso provocou mal estar entre os investidores, embora as ações da empresa tenham sofrido baixa de apenas 0,61%.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor