Ação da Natura cai 6% e sobe 9% por causa da Avon

Companhia brasileira vai pagar um prêmio de 70% para ficar com maior parte do capital da norte-americana, que passa por dificuldades.

Acredite se Puder / 17:56 - 22 de mai de 2019

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

A Comissão de Valores Mobiliários tem de fazer o levantamento de quem comprou ação da Natura quando a cotação sofreu desvalorização de até 6% e depois obteve lucro com a venda ou não, quando houve a recuperação e apresentou alta de até 9% para o nível de R$ 61,50. Os motivos de tão brusca queda não foram abordados, mas o mesmo não aconteceu com a notícia do Financial Times de que a empresa brasileira pagará US$ 2 bilhões por 76% da Avon. O preço significa um prêmio de 70% sobre o valor de mercado da companhia norte-americana. O acordo foi confirmado no final da tarde desta quarta-feira.

O interessante é que, nos últimos cinco anos, a Avon perdeu 87% do seu valor de mercado, e alguns acionistas pressionavam para a venda do controle da companhia. Mas os donos da Natura acham barato pagar um ágio de 70% por ações de uma empresa em dificuldades e desesperada para aparecer um novo controlador. Alguns analistas brasileiros, no entanto, acham que a alta é justificada por causa da parceria com o Santander, que criou um serviço de pagamento em cartão próprio para as vendedoras porta-a-porta, considerando que a geração de receita associada aos serviços financeiros agregados a essa modalidade de vendas têm chance de grande crescimento com a Avon.

 

Empréstimo não sai e Briitish Steel pede proteção

Para não quebrar as regras europeias relativas às ajudas de Estado, o Governo do Reino Unido negou o financiamento de emergência no montante de 30 milhões de libras, e a British Steel já deu início ao processo de proteção contra a falência, que coloca em risco 5 mil empregos diretos e 20 mil indiretos no norte da Inglaterra. De acordo com o Financial Times, a Justiça já aceitou o pedido de recuperação judicial da siderúrgica e nomeou a Ernst Young como administrador do processo.

Os problemas da segunda maior empresa de aço do Reino Unido, começaram com a diminuição de encomendas devido às incertezas geradas pelo Brexit. Agora, a gestão ficará nas mãos do administrador de insolvência David Chapman que, em comunicado, esclareceu que a sua prioridade imediata é “continuar a operar e a fornecer os seus clientes, enquanto avalio as opções. Os funcionários foram pagos e continuarão a ter emprego”. O ministro da Indústria do Reino Unido, Greg Clark, disse à Sky News que a British Steel está agora “aberta a novos donos”.

 

Falência da Wow Air afeta a Islândia

A companhia aérea de baixo custo Wow Air ajudou a transformar o turismo na maior renda da Islândia e o país saiu da estagnação. Em março, sua falência infligiu um golpe tão grande na economia que o BC do país cortou os juros para 4% e anunciou que a economia deve contrair 0,4%.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor