A importância da biodiversidade

Acentuamos nos últimos artigos temas que abordam a biodiversidade e consequências que podem ser um alvo para a desestrutura ambiental....

Direito Ambiental / 14:34 - 2 de mai de 2018

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Acentuamos nos últimos artigos temas que abordam a biodiversidade e consequências que podem ser um alvo para a desestrutura ambiental. Devemos sempre levar em consideração essas ocorrências, pois afetam o ciclo de evolução das condições naturais que podem ser vistas como agentes destinados a atingir o meio ambiente de forma até irreversível, transformando suas regras naturais, afetando a conservação da fauna e da flora.

Muito se tem falado que estas circunstâncias, atingindo diretamente o desenvolvimento das regras da natureza, vão refletir nos componentes da efetiva conservação de recursos naturais. Sempre poderão causar situações em que o meio ambiente será afetado em sua regularidade. Disso se extrai que muitas vezes o resultado negativo vai atingir a própria população, podendo afetar inclusive a saúde de todos, pelos excessos cometidos tanto nas atividades industriais como na evolução indiscriminada em queimadas, afetação de nossos rios e a quebra de sintonia com a própria natureza. Os excessos cometidos tendo como justificativa o progresso e a evolução social, por lógica, devem ser vistos de uma forma bem racional, visando sempre um equilíbrio entre a atividade do homem e as consequências que possam ser causadas ao meio ambiente.

Não podemos duvidar que o descuido ao meio ambiente, provocado principalmente pela administração pública, vai acarretar, por coerência, esse desequilíbrio. Muito tem se mencionado, uma questão bem simples, que reflete as condições em nosso país. Se aqui não se cuida das pessoas que necessitam efetivamente, não se dispõe de um sistema educacional objetivando a futura melhora na vida das pessoas humildes, como poderemos querer impor a importância de se proteger o meio ambiente?

Certamente, podemos assinalar que ausente à educação, o sistema rígido de saúde e a possibilidade de todos evoluírem na sociedade, como vamos querer que as autoridades públicas deem atenção à natureza, da forma que seria compatível com a evolução do homem em sociedade. Se a própria segurança da humanidade é atingida em seus elementos essenciais como; saúde, educação, segurança e moradia. Como é que vamos fazer evoluir a biodiversidade, mantendo em seus status quo ante? O que podemos fazer é torcer para quem sabe um dia, talvez, não muito distante, a consciência pública e o interesse particular contribuam a favor do progresso e da evolução social.

É óbvio que, quando afirmamos os excessos causados e as omissões permanentes, não estamos querendo atingir esta evolução social, proveniente das vantagens que proporcionam o amparo para uma vida melhor e satisfatória, pela disposição de vantagens que teoricamente deveriam refletir para toda à população; independentemente de classe social. Nota-se, por outro lado, que a utilização dos recursos que a natureza nos proporciona tem que ser obrigatoriamente recomposta para não se verificar o descontrole dos fenômenos naturais.

É o momento de dar uma visão bem acentuada nos princípios que regem a conservação e a preservação da natureza. Inclusive verificamos na Wikipédia matéria que muito acentua a importância desses fatores. Assim, embora, na aparência repetitiva do tema, o que colhemos na excelente enciclopédia lida, Wikipédia, vai muito bem complementar a matéria que já iniciamos como fundamental para a natureza.

A conservação da natureza, também chamada ciência da conservação da natureza ou simplesmente conservação, é a designação dada aos princípios e técnicas que buscam a utilização racional dos recursos naturais, ou seja, a proteção desses recursos em uma perspectiva de sustentabilidade, que permite que seu uso, mas garante sua renovação.

Prosseguiremos divulgando a matéria, na próxima abordagem.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor