Advertisement

A ideologia do ‘fake fact-checking’

As agências de conferência de notícias ligadas aos grandes grupos de mídia se tornaram instrumentos ideológicos, que...

Fatos & Comentários / 13 Junho 2018

As agências de conferência de notícias ligadas aos grandes grupos de mídia se tornaram instrumentos ideológicos, que tentam passar a posição de suas companhias como se fosse a verdade, utilizando como desculpa a suposta conferência de informações. O candidato a presidente Jair Bolsonaro declarou que metade do orçamento do país vai para a dívida pública, e assim não sobra nada para investimentos. A agência foi conferir e comprovou que, efetivamente quase 50% do orçamento aprovado é destinado ao serviço da dívida. Acrescentou que, para isso, são emitidos papéis para rolar o débito. Deveria ter parado por aí.

Mas foi adiante, dizendo que esse dinheiro não poderia ser utilizado de outra forma. Ora, não se trata de uma verdade absoluta. É uma posição ideológica que não vê alternativa para emissão de títulos que não seja para rolar a dívida. Mais: sanciona o sistema de rolagem de papéis e pagamento de juros sobre juros, o que muitos economistas e políticos contestam.

Entrevista de outro presidenciável, Guilherme Boulos, também passou pelo crivo dos donos da verdade. E mais uma vez confundiram posição ideológica com fatos. Disse o candidato do PSOL que há uma privatização velada da Petrobras, e uma das ações seria reduzir o refino para abrir caminho para importação de derivados. A afirmação foi confirmada, porém a agência de checagem acrescentou que a redução nas refinarias teria começado no primeiro ano do segundo mandato de Dilma Rousseff. É para conferir dados ou para travar luta política?

Mas o texto dos conferidores prossegue, e de uma forma indefensável. “Entre 2010 e 2014, a Petrobras aumentou o uso da capacidade instalada de refino de 90% para 98% (…). A partir de 2015, a porcentagem de utilização começa a cair, ficando em 77% em 2017.” Mais adiante, diz que no primeiro trimestre de 2018 as refinarias operaram com 72% da capacidade instalada. Opa, alto lá, cadê os números de 2016 e de 2017? Eles vêm só lá embaixo, em outro parágrafo. Aí descobre-se que o percentual era de 84% no primeiro semestre, antes de Dilma ser derrubada.

Mas os checadores conseguem se superar ao determinarem ser falsa a afirmação de Boulos de que voltou a velha lógica colonial de exportar petróleo cru e importar derivados. O argumento deles: o aumento da exportação de petróleo e importação de derivados “não é novidade do Governo Temer”, pois também aconteceu em governos anteriores, inclusive o de Lula. A agência talvez saiba que no período foi descoberto o pré-sal, e o Brasil elevou suas exportações. Mas poderia ao menos ter apresentado os números. Deixaria os leitores saberem que a importação de diesel mais que dobrou apenas três meses após a posse de Temer.

 

Para não-sócios

As entidades de defesa dos consumidores comemoram a posição do Supremo Tribunal Federal (STF), em julgamento dos embargos de declaração proposto pelo Instituto Defesa Coletiva (IDC). A decisão tomada semana passada (Recurso Extraordinário 612.043/PR) deixou claro que não existe limitação dos efeitos da tutela coletiva nas ações civis vencidas por instituições que defendem os direitos dos consumidores.

Isto quer dizer que todo cidadão que possui uma demanda judicial contra uma empresa que o prejudicou poderá se beneficiar de decisão contrária à empresa, mesmo que não seja associado à entidade civil de defesa do consumidor que ingressou com a ação. O voto do relator Marco Aurélio foi acompanhado pelos demais ministros do STF.

 

Rápidas

O grupo Os Três Nordestinos comandará a happy hour do Caxias Shopping nesta sexta-feira, a partir das 19h30 *** O Conselho Regional de Serviço Social do Estado de São Paulo publicou nota de repúdio à suposta “esterilização compulsória” de uma cidadã de Mococa (SP). O ato teria sido determinado pela justiça, que afirma que a mulher autorizou *** A Câmara Espanhola de Comércio do Brasil realizará nesta sexta-feira, no Auditório no Museu de Amanhã (Praça Mauá,1 Centro, Rio de Janeiro), seu III Encontro Anual. Previstas as presenças do deputado Rodrigo Maia, presidente da Câmara, e do general Walter Souza Braga Neto, interventor da segurança pública do Rio *** O Festival Gastronômico de Búzios chega a sua 17ª edição. O evento acontecerá nos dois primeiros finais de semana de julho: de 6 a 8 e de 13 a 15. Ao todo, serão 80 restaurantes participantes e esperadas 30 mil pessoas. A expectativa é de que a rede hoteleira alcance uma ocupação de 90% *** O colunista dará um descanso aos leitores nos próximos 20 dias. Até lá, confiram neste espaço notas da China, todo final de semana, enviadas de Beijing pelo JC.