Advertisement

A grande missão

Caberá ao governador o papel de moderador com Assembleia.

Decisões Econômicas / 17 Janeiro 2019 - 19:50

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor

Deputado André Ceciliano e governador Wilson Witzel

A grande missão do governador Wilson Witzel no relacionamento com o presidente da Assembleia Legislativa fluminense, a ser eleito em 1º de fevereiro, será a de coordenação das bancadas legislativas para votar as mensagens de interesse do povo fluminense e não do governo, pois nem sempre o que pretende o governador e seus secretários atendem necessariamente aos interesses e anseios da população.

E o presidente em exercício da Alerj, deputado André Ceciliano, deu provas suficientes de que está a altura de manter esse diálogo colaborativo, pois sob seu comando, durante a crise que se abateu sobre o estado no ano passado, o parlamento fluminense reagiu à altura, colaborando no que foi possível para sustentar o governo de maneira que a máquina continuasse trabalhando e os serviços públicos não fossem paralisados.

Então, cabe ao governador Wilson Witzel o papel de moderador diante de problemas ideológicos que possam se antepor a uma solução racional e responsável para que o governo e o Legislativo tenham um bom relacionamento, mais do que isso, um relacionamento responsável para completar a missão, abraçada pelo presidente em exercício da Alerj para tirar o Estado do Rio da crise moral, ética, financeira e política que quase o levou à insolvência.

 

Homenagem aos interventores

O presidente em exercício da Assembleia Legislativa, deputado André Ceciliano, aprovou no Plenário Barbosa Lima Sobrinho dois projetos de resolução concedendo ao então interventor federal, general Braga Netto, e ao ex-secretário de Segurança Pública fluminense general Richard Nunes a Medalha Tiradentes. As homenagens foram um reconhecimento pelo trabalho desenvolvido pela dupla no combate à violência no estado do Rio.

Vereador Zico Bacana

Equívoco do Crivella

O vereador carioca Zico Bacana retificou nota publicada nesta coluna, na sexta-feira passada, dizendo que o prefeito Marcelo Crivella se equivocou ao vetar o projeto dando nome a uma rua no bairro de Ricardo de Albuquerque.

 

Orçamento do Rio

O Plenário Teotônio Vilela do Palácio Pedro Ernesto aprovou o orçamento de R$ 30,6 bilhões da Prefeitura do Rio para o exercício financeiro deste ano, a ser executado pelo prefeito Marcelo Crivella. Desse total, conforme revela a assessoria da Câmara Municipal, R$ 18,2 bilhões são destinados ao pagamento de pessoal e encargos sociais; R$ 6,8 bilhões para educação; R$ 5,3 bilhões para saúde; R$ 1,2 bilhão para investimentos; e R$ 838,4 milhões para pagamento de juros e encargos da dívida pública.

 

Aditivos milionários

Ao final de sua gestão, antes de passar os encargos da secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio, o delegado David Anthony fez uma limpeza na pasta, exonerando assessores, mas também renovou 23 contratos com diversas empresas de fornecimento de quentinhas, lanches, e gêneros alimentícios, num total de R$ 38,610 milhões.

 

Solazer

A Mesa Diretora da Câmara Municipal do Rio autorizou a prorrogação do contrato com a empresa Solazer Transportes e Turismo Ltda., pelo período de um ano, ao custo de R$ 583,7 mil. A empresa é responsável pela reserva de passagens áreas para vereadores e funcionários do Legislativo.

 

Produtos orgânicos

Com a argumentação de que é preciso melhorar a qualidade da alimentação nos hospitais públicos fluminenses, o deputado Flávio Serafini apresentou projeto de lei propondo um percentual de no mínimo 50% de produtos orgânicos nas refeições servidas aos pacientes internos.

Siga o Monitor no twitter.com/sigaomonitor